Após morte de xeque, iraquianos prometem combater Al-Qaeda

Assassinato de Abu Rasha, sunita colaborador de Bush, provoca promessa de retaliação de seguidores e dos EUA

REUTERS

14 de setembro de 2007 | 12h33

Iraquianos sunitas da Província de Anbar e as forças norte-americanas estacionadas naquela região prometeram nesta sexta-feira, 14, continuar lutando contra a Al-Qaeda.   Maliki ordena investigação sobre morte de líder sunita As declarações apareceram depois do assassinato de um líder tribal que colaborou com os Estados Unidos para possibilitar uma das poucas histórias de sucesso do Iraque no âmbito militar. Abdul Sattar Abu Risha morreu em um atentado a bomba realizado na quinta-feira perto da casa dele, em Ramadi, capital de Anbar (antes, uma das áreas mais violentas do país). "Todas as tribos concordaram com lutar contra a Al-Qaeda em Anbar até a última gota de sangue", afirmou à Reuters o irmão dele, Ahmed Abu Risha. Abdul Sattar Abu Risha, que se reuniu com o presidente dos EUA, George W. Bush, menos de duas semanas atrás, liderava o Conselho de Salvação de Anbar, uma aliança de tribos sunitas que cooperava com as forças norte-americanas para expulsar a rede sunita Al-Qaeda da Província, uma região quase totalmente desértica. Ahmed Abu Risha herdou a vaga do irmão no conselho poucas horas depois do assassinato. "A morte do xeique Abu Risha nos dará mais energia para continuarmos enfrentando os membros da Al-Qaeda e para acabar com eles", afirmou em Ramadi o xeique Rashid Majid, líder da tribo al-Bufahad. O velório de Abu Risha contou com cerca de 1.500 pessoas, transcorrido sob um forte esquema de segurança. Compareceram o conselheiro nacional para a área de segurança do Iraque, Mowaffaq al-Rabaie, ministro do Interior, Jawad al-Bolani, o general e ministro de Defesa, Abdel Qader Jassim, e o tenente-general Raymond Odierno, segundo no comando das forças norte-americanas presentes no Iraque. "A vingança deve vir rapidamente", gritavam os presentes à cerimônia enquanto os caixões com os corpos de Abu Risha e de dois guarda-costas eram levados ao cemitério. Abu Risha foi enterrado no mesmo cemitério de Ramadi onde estão o pai e um outro irmão dele, ambos mortos a tiros nos últimos dois anos. Outros dois irmãos de Abu Risha foram sequestrados em Ramadi nos últimos três anos e o paradeiro deles continua a ser desconhecido. "Ao matar Abu Risha, a Al-Qaeda quer calar a voz das tribos iraquianas. Os chefes das tribos continuarão lutando contra a Al-Qaeda e vamos dar apoio a elas", afirmou Rubaie à Reuters. Abu Risha criou o Conselho de Salvação de Anbar no ano passado como forma de responder à insatisfação dos líderes tribais sunitas com os assassinatos realizados pela Al-Qaeda e com a interpretação radical da rede militante a respeito do Islã. Em um discurso proferido na quinta-feira, Bush, que prometeu diminuir o número de soldados estacionados no Iraque até julho próximo, elogiou a coragem de Abu Risha e destacou a situação atual mais tranquila de Anbar como prova de que a política norte-americana para o Iraque estaria funcionando.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEANTIALQAEDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.