Após reuniões com Bush nos EUA, Abbas diz voltar desapontado

Presidente palestino admite que falhou em alcançar qualquer progresso nas conversas sobre paz com Israel

Associated Press,

25 de abril de 2008 | 21h56

O presidente palestino Mahmoud Abbas admitiu nesta sexta-feira, 25, que falhou em alcançar qualquer progresso nas conversas sobre a paz no Oriente Médio com o presidente americano George W. Bush e que está voltando para casa com pouco a mostrar de sua visita aos EUA.   Veja também: Bush garante a Abbas que Estado palestino é prioridade Israel teria acordo com os EUA sobre assentamentos, diz jornal Abbas quer que EUA pressionem Israel contra assentamentos   Em entrevista à agência Associated Press, o líder palestino pareceu pessimista sobre a possibilidade de alcançar qualquer acordo com Israel neste ano, apesar da grande pressão americana. "Francamente, até agora nada foi alcançado. Mas ainda estamos conduzindo trabalhos diretos para chegar a uma solução", disse o líder palestino.   Abbas afirmou que o principal obstáculo para um acordo com Israel continua sendo a expansão dos assentamentos judeus em territórios palestinos. "Nós pedimos para os americanos implementarem a primeira etapa do mapa para o fim da expansão dos assentamentos", disse, mostrando sua decepção após os Estados Unidos não exercerem mais pressão para o fim das construções. Israel continua o controverso projeto de assentamentos no disputado território da Cisjordânia e Jerusalém oriental.   O líder palestino também disse que ficou decepcionado depois de um almoço com a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice. Enquanto discutiam aspectos do acordo de paz, a secretária não mencionou o objetivo palestino de criar um Estado baseado nas fronteiras anteriores à ocupação israelense do território palestino durante a guerra de 1967.   "Nós pedimos que eles discutam sobre os fronteiras de 1967. Nenhum deles falam sobre isso", apontou Abbas. Quando perguntado se as autoridades americanas oferecem alguma nova proposta, ele negou. "Eles estão mostrando esforços. E nós ainda estamos negociando". "Todos os arquivos estão abertos, nenhum deles está fechado. A situação continua como estava", conclui.

Tudo o que sabemos sobre:
AbbasBushIsraelPalestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.