Após votação apertada, Livni busca unidade partidária em Israel

A chanceler de Israel, Tzipi Livni,fez na sexta-feira um apelo pela unidade da bancada parlamentardo seu partido Kadima, para cuja liderança ela foi eleita numaapertada votação na quarta-feira. Agora, ela tenta formar umacoalizão para governar o país. "Precisamos agir rapidamente. Não temos tempo a perder nosdesentendendo sobre a política", disse ela a deputados naprimeira reunião realizada na sede do Kadima, em Tel Aviv,desde a vitória dela sobre o ex-general Shaul Mofaz. Ela disse que é preciso agilidade "porque há difíceisdesafios para nós como nação, e o Kadima é o partido que estágovernando o país, e vamos continuar a fazê-lo por muitosanos". Mofaz, que perdeu a disputa interna por cerca de 400 votos(pouco mais de 1 ponto percentual) não participou do evento.Durante a tensa apuração de quarta-feira, alguns assessoresdele se queixaram de irregularidades, mas o ex-militar acaboureconhecendo a derrota. Livni disse que agora o partido tem de se unir. "O Kadimaprecisa ficar unido, e lamento que Shaul Mofaz tenha decididonão estar conosco aqui hoje". A divisão dentro do partido, criado há três anos, podedificultar a montagem de um novo gabinete que substituirá o deEhud Olmert, que decidiu renunciar devido às suspeitas decorrupção que sofre. Mofaz surpreendeu o mundo político ao anunciar que estava"dando um tempo" da política. Alguns analistas disseram que adisputa partidária reproduziu e agravou uma tensão étnicaexistente entre os judeus de Israel --antepondo a eliteashkenazita (de origem européia, da qual Livni faz parte) aossefaraditas (da Península Ibérica e Oriente Médio, como Mofaz,nascido no Irã). Nunca um sefaradita governou Israel. Seguidores de Livni minimizaram a divisão interna dopartido, dizendo que muitos simpatizantes de Mofaz demonstraramunidade ao participar da reunião com a chanceler em Tel Aviv. (Reportagem de Ari Rabinovitch)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.