Árabes dizem que Israel é responsável por crise em Gaza

Ministros exigem que governo israelense, como força de ocupação, pare de agredir população palestina

Agência Estado e Associated Press,

28 de janeiro de 2008 | 11h01

Ministros do Exterior árabes afirmaram nesta segunda-feira, 28, que Israel é totalmente responsável pela deterioração da situação na Faixa de Gaza e exigiram que o Estado judeu suspenda imediatamente seu bloqueio à região, abrindo cruzamentos e permitindo que carregamentos humanitários cheguem à população.   Veja também: Faixa de Gaza foi controlada por otomanos, egípcios e judeus  Abbas se reúne com presidente egípcio para discutir fronteira Egito e Hamas trabalham juntos para conter fluxo de palestinos   Israel bloqueou completamente a faixa costeira em represália a disparos de foguetes caseiros por militantes palestinos contra o território israelense, suspendendo a entrega de combustíveis e impedindo a entrada de alimentos e remédios.   "Israel, como uma força de ocupação, é plenamente responsável pela deterioração da situação nos territórios palestinos e deveria parar imediatamente com a contínua agressão contra civis e pôr fim à política de bloqueios e de punição coletiva", diz um comunicado divulgado pelos ministros ao fim de um encontro no Cairo na manhã desta segunda-feira.   Os chanceleres também pediram ao Conselho de Segurança da ONU para "assumir suas responsabilidades e parar a agressão (israelense) e suspender o cerco de Gaza e proteger seu povo e seus direitos de acordo com as leis internacionais".   Os ministros pediram a todas as partes para retomar os esforços para abrir todas as passagens segundo acordos internacionais e evitar uma repetição do que ocorreu na fronteira entre Gaza e Egito, onde militantes do grupo palestino Hamas derrubaram partes do muro dividindo os dois territórios para escapar do cerco israelense.

Tudo o que sabemos sobre:
GazaEgitoIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.