Arábia Saudita detém 11 príncipes por protestos em defesa de privilégios

Eles se recusaram a deixar o palácio durante seus protestos e por isso foi emitida uma ordem de prisão

EFE

07 Janeiro 2018 | 08h17

RIAD - A Arábia Saudita confirmou neste domingo, 07, a detenção e reclusão de 11 príncipes sauditas por se manifestarem em frente ao Palácio Real Al Yamama, em Riad, em defesa dos seus privilégios, informou o procurador-geral, Saud al Moyeb.

Segundo a fonte, citada pela agência oficial de notícias saudita, "SPA", os príncipes reconheceram "seu erro e sua má atitude", mas se recusaram a deixar o palácio durante seus protestos, e por isso foi emitida uma ordem de prisão.

+++ Arábia Saudita acaba com proibição de mais de 35 anos contra cinemas

Os membros da família real permanecerão detidos à espera de um julgamento, segundo a agência.

O procurador esclareceu que "todos (os cidadãos) são iguais perante a lei" e que "qualquer pessoa que não respeitar as ordens e instruções será julgada, seja quem for".

+++ Primeiro museu sobre vida de Maomé é inaugurado na Arábia Saudita

Os príncipes exigiam o cancelamento de um decreto real, que ainda não foi publicado oficialmente, por meio do qual o governo deixará de pagar as contas de eletricidade e água dos príncipes.

Além disso, pediam uma compensação financeira a um dos príncipes por um julgamento em que foi condenado.

No dia 5 de novembro do ano passado, o governo saudita deteve 11 príncipes e 38 políticos, entre eles quatro ministros, acusados de corrupção. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Arábia Saudita [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.