Arábia Saudita prende 100 acusados de pertencer à Al-Qaeda

Suspeitos planejavam atentado no país, diz ministério do Interior

Efe

24 de março de 2010 | 12h01

RIAD - A polícia da Arábia Saudita deteve 113 suspeitos de pertencer a uma célula terrorista vinculada à Al-Qaeda ao longo do mês passado, informaram nesta quarta-feira, 24, fontes oficiais.

Veja também:

especialAs franquias da Al-Qaeda

Um porta-voz do Ministério do Interior, que pediu para não ser identificado, disse à Agência Efe que os detidos são 47 sauditas, 51 estrangeiros e outras 15 pessoas, cujas nacionalidades ainda estão sendo confirmadas.

A maioria dos estrangeiros são iemenitas, mas também há um grande número de somalis, acrescentou a fonte.

Um comunicado anterior do Ministério do Interior indicava que os detidos eram apenas 47 sauditas e 51 estrangeiros.

De acordo com o porta-voz, os supostos terroristas foram detidos em diferentes regiões do país. Todos faziam parte de uma célula vinculada à Al-Qaeda da Península Arábica, que tem ligações com a organização terrorista liderada por Osama bin Laden.

Entre os detidos, há 12 que participariam de operações suicidas e foram presos dias antes de cometerem atentados contra instalações petrolíferas no nordeste do país.

Segundo a mesma fonte, os detidos também planejavam atacar uma universidade recém-inaugurada na cidade de Jedá, às margens do Mar Vermelho.

Tudo o que sabemos sobre:
Arábia SauditaAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.