Armas vão entrar em Gaza apesar da segurança, diz Hamas

Medidas de segurança para impedir grupos palestinos de se rearmarem em Gaza não irão impedir a entrada de armas no enclave, disse uma autoridade do Hamas neste domingo. Osama Hamdan, representante do Hamas no Líbano, disse que os militantes palestinos começaram a restabelecer seu arsenal após o cessar-fogo que encerrou a ofensiva de 22 dias de Israel na faixa de Gaza. "Vamos continuar a trazer armas para Gaza e para a Cisjordânia. Que ninguém pense que vamos nos render às medidas", disse ele durante um discurso em Beirute. "Talvez as coisas se tornem mais difíceis, mas estamos prontos para superar qualquer dificuldade (...) para que a resistência continue", disse. Aqueles que pensam que o monitoramento por mar, ar ou satélite pode detectar a entrada de armas pelos túneis "se iludem", acrescentou. Israel disse que o Hamas usou túneis entre a faixa de Gaza e o Egito para trazer armamentos ao território, onde sua ofensiva matou 1.300 palestinos e feriu mais de cinco mil pessoas. Treze israelenses morreram, sendo dez soldados e três civis atingidos por foguetes do Hamas. O objetivo declarado de Israel era deter os lançamentos de foguetes palestinos contra o sul do país. Israel disse ter interrompido os combates depois de receber a garantia dos EUA, de potências européias e do Egito de lutar contra o envio de armas para o território dominado pelo Hamas. A França declarou na sexta-feira que enviará uma fragata para patrulhar as águas internacionais na costa da Faixa de Gaza, como parte dos esforços para consolidar o cessar-fogo evitando o tráfico de armas pelo mar. "Reafirmo a vocês que desde o primeiro dia do cessar-fogo a resistência começou a restabelecer o que perdeu e a desenvolver o que já tinha", acrescentou Hamdan. (Por Tom Perry)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.