Assembleia da ONU convoca reunião de emergência sobre Gaza

Organização se reúne na noite desta quinta para discutir medidas para conter o conflito no Oriente Médio

Efe,

08 de janeiro de 2009 | 08h35

O presidente da Assembleia Geral da ONU, o nicaragüense Miguel D'Decoto, convocou para esta quinta-feira, 8, uma reunião de emergência no órgão, dada a "inoperância" do Conselho de Segurança (CS) em deter a ofensiva israelense em Gaza. O propósito da reunião, convocada para as 20h30 (Brasília) é, segundo ele, "que todos os países possam expressar abertamente sua opinião e decidam de forma coletiva quais são as medidas mais oportunas para que o sangrento conflito termine".   Veja também: Mísseis do Líbano contra Israel ameaçam 2º front da guerra Israel intensifica bombardeio em Gaza no 13.º dia de ataques Gabinete israelense aprova ampliação de ofensiva em Gaza Ataques mataram 205 crianças, dizem palestinos  França provoca confusão ao anunciar cessar-fogo  Trégua por 3h é piada, diz ex-relator da ONU brasileiro  Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza  Brasileiros que vivem na região falam sobre o conflito Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques        "A ONU não pode ser testemunha muda do massacre que está acontecendo em Gaza e deve levantar sua voz para que haja um cessar-fogo imediato e a população civil palestina seja adequadamente protegida", anunciou o porta-voz de D'Decoto, Enrique Yeves. Ele criticou a incapacidade dos 15 membros do Conselho de Segurança de chegar a um acordo para conseguir que Israel pare o ataque a Gaza.   "Que um único país possa e consiga bloquear a decisão do resto, a chamada ditadura do veto, torna impossível conseguir soluções rápidas, como se está demonstrando nessa ocasião", assegurou. Os EUA impediram, no sábado passado, a adoção de uma declaração do conselho na qual se pedia o cessar-fogo imediato em Gaza. Washington, junto a outros países ocidentais, também rejeita um projeto de resolução apresentado pela Líbia.   Na quarta, o Conselho terminou outra reunião sem alcançar nenhum acordo, mas seus membros asseguraram que seguirão negociando à espera do resultado da trégua proposta pelo Egito. Apesar disso, Yeves disse que vários países se aproximaram de D'Decoto nos últimos dias para expressar sua inconformidade perante o contínuo silêncio do Conselho de Segurança. "Se o Conselho de Segurança não faz seu trabalho para manter a paz, então a Assembleia Geral deve intervir e tomar as medidas que seus membros achem que sejam mais pertinentes", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosHamasONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.