Assembleia Nacional da Líbia decide adotar lei islâmica

A Assembleia Nacional da Líbia decidiu em votação nesta quarta-feira tornar a lei islâmica, ou sharia, a fonte de toda a legislação do país, numa aparente tentativa dos islamistas moderados de despistar militantes ultraconservadores que têm ganhado influência.

Reuters

04 de dezembro de 2013 | 19h44

Dois anos após o levante apoiado pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que derrubou Muammar Gaddafi, a Líbia ainda passa por uma transição confusa, sem uma nova Constituição, com um governo temporário e as novas forças de segurança lutando para conter milícias e ex-rebeldes.

O impacto imediato do anúncio não ficou claro em um país que já tem maioria muçulmana, embora possa afetar a legislação penal e financeira.

"O sistema legislativo não contém muitas leis que contradizem a lei islâmica, por isso é fácil de dizer que a sharia seria a única fonte de legislação", disse Ibrahim al- Gharyani, do partido Aliança das Forças Nacionais.

Mas legisladores sugeriram que pelo menos parte da razão da declaração do Congresso Geral Nacional foi política.

Como na Tunísia e no Egito, onde líderes autocráticos também foram expulsos nas revoltas da Primavera Árabe, a Líbia viu um intenso debate sobre o papel do Islã na nova democracia com a ascensão dos islamistas ultraconservadores longamente suprimidos por Gaddafi.

(Reportagem de Feras Bosalum)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIASHARIAASSEMBLEIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.