Assentamentos e Gaza travam diálogo entre Israel e palestinos

O projeto israelense de construir1.100 novas casas em Jerusalém Oriental e arredores foicriticado na terça-feira por palestinos que vêem essa parte dacidade como sua futura capital, atrapalhando ainda mais o jácomplicado processo de paz. Autoridades israelenses citaram "progressos" depois quepela primeira vez os negociadores se reuniram durante dois diasconsecutivos. Mas comentários de ministros ameaçando novosataques contra a Faixa de Gaza e prometendo ampliar osassentamentos judaicos irritaram os líderes palestinos. O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, está sob fortepressão da oposição e de parte do governo para adotar umaposição mais dura em relação a Gaza e para adiar as negociaçõessobre a polêmica questão de Jerusalém. Criticados por ambas as partes pela falta de progressosdesde a retomada formal do processo, em novembro, osnegociadores --a chanceler de Israel, Tzipi Livni, e oex-premiê palestino Ahmed Qurie-- se encontraram na segunda eterça-feira, segundo um porta-voz dela. Inicialmente, Olmert e o presidente palestino, MahmoudAbbas, disseram ter como meta alcançar a paz ainda durante omandato do presidente norte-americano George W. Bush, quetermina em janeiro. Mas israelense e palestinos estão divididossobre quais devem ser os resultados do acordo. Abbas quer um tratado definitivo, que crie um Estadopalestino. Já Olmert declarou na Alemanha que seu objetivo é"alcançar novos entendimentos que tomara que levem à base paraum acordo entre nós e a Autoridade Palestina".(Reportagem adicional de Dan Williams em Ancara, Jeffrey Hellerem Berlim, Ori Lewis em Jerusalém e Mohammed Assadi emRamallah)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.