Ataque a iezites no Iraque matou mais de 500--Crescente Vermelho

Mais de 500 pessoas morreram nos ataquessuicidas com caminhões-bomba que atingiram a comunidade daminoria iezite, no norte do Iraque, disse o Crescente Vermelhoiraquiano nesta quarta-feira. Se os números da organização estiverem corretos, os ataquesde 14 de agosto contra os vilarejos de Kahtaniya e al-Jazeeraterão sido os mais graves desde a invasão do Iraque, em 2003. Inúmeras casas de barro ruíram em consequência dos ataques,soterrando famílias inteiras, e as autoridades iraquianas deramnúmeros altamente contraditórios para o total de mortos. O governador da província de Nineveh falou na semanapassada em 344 mortos e 70 desaparecidos. Outras fontes da áreade saúde deram somatórias maiores, embora sem esclarecer suasfontes. O pior ataque pós-invasão do Iraque, bombas coordenadas queatingiram o bairro de Sadr City, em Bagdá, em novembro de 2006,matou mais de 200 pessoas. Saeed Haqi Ismael, chefe do Crescente Vermelho no Iraque,disse à Reuters que os números da organização baseiam-se emlistas compiladas para a distribuição de ajuda financeira àsfamílias que informaram ter perdido parentes nos ataques. As famílias receberam 100 dólares por parente morto e 50dólares por ferido. Ele não disse como a organização estavaverificando a autenticidade das informações. "A partir daslistas, estimamos o total de mortos em de 520 a 525." Segundoele, pelo menos 1.500 pessoas ficaram desabrigadas. As Forças Armadas dos Estados Unidos, que mandaramcobertores, comida e água para a região, disseram que a AlQaeda é a principal suspeita dos ataques. A Al Qaeda consideraos iezites, que fazem parte de uma seita curda pré-islâmica,infiéis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.