Ataque aéreo de Israel mata 2 militantes do Hamas

Em Nova York, secretário-geral da ONU pede que Israel reverta decisão de fechar acessos a Gaza

Associated Press ,

19 de janeiro de 2008 | 13h56

Aviões militares de Israel mataram neste sábado, 19, dois militantes do grupo de resistência palestino Hamas em Gaza. O ataque aconteceu um dia depois de Israel fechar as fronteiras do território ocupado e bombardear a sede do Ministério do Interior da Autoridade Palestina em Gaza.   Em Nova York, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, implorou a Israel que reverta a decisão inédita de fechar todos os acessos a Gaza e advertiu que a suspensão do fornecimento de alimentos e medicamentos está agravando a crise humanitária no território, onde vivem 1,4 milhão de pessoas.   Nos últimos sete meses, desde que o Hamas tomou o controle de Gaza, Israel restringiu severamente o acesso ao território, mas permitia o transporte de alimentos e outros suprimentos essenciais (cerca de 120 caminhões por dia).   O governo israelense também suspende esporadicamente o fornecimento de energia elétrica e água ao território, punindo toda a população palestina pelos constantes ataques com foguetes lançados contra Israel pelos grupos mais radicais.   Desde a última terça-feira, 36 palestinos foram mortos por ataques israelenses em Gaza. Na sexta-feira, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, considerado moderado, denunciou as ações militares israelenses como "brutais". Ele também acusou o Hamas de "tentar destruir as aspirações nacionais palestinas".   O Hamas venceu as eleições parlamentares palestinas de 2006 e formou um governo que teria uma convivência difícil com Abbas, do partido rival Fatah. Em junho de 2007, guerrilheiros do Hamas derrotaram forças do Fatah e assumiram o controle de Gaza, o que levou Abbas a destituir o primeiro-ministro do Hamas e a formar um novo governo.   No ataque de sexta-feira, um avião militar de Israel bombardeou o prédio vazio do Ministério do Interior palestino em Gaza. Uma mulher que participava de uma festa de casamento em um prédio vizinho foi morta e 46 pessoas ficaram feridas, entre elas algumas crianças que jogavam futebol na rua em frente. Funcionários do hospital local disseram que cinco dos feridos continuavam em estado crítico na sexta.   Na manhã deste sábado, tropas israelenses apoiadas por tanques entraram em Gaza e fizeram buscas em várias casas na aldeia de Jebaliya. Militantes do Hamas dispararam contra as tropas e aviões militares israelenses dispararam três mísseis, matando dois guerrilheiros. As autoridades israelenses disseram que quatro palestinos armados foram capturados em Jebaliya e levados a Israel para interrogatório.

Tudo o que sabemos sobre:
Faixa de GazaIsraelHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.