Ataque aéreo de Israel mata três militantes palestinos em Gaza

Homens armados pertenceriam ao grupo Jihad Islâmica e teriam lançado foguete contra Israel

Reuters e Efe,

27 de setembro de 2010 | 19h38

Um ataque israelense na região central da Faixa de Gaza nesta segunda-feira, 27, matou três homens armados que pertenciam ao grupo Jihad Islâmica, disseram médicos palestinos.

Médicos disseram ter resgatado três corpos do local de uma explosão que ocorreu após o anoitecer no campo de refugiados de Bureij, perto da fronteira entre Israel e Gaza.

A televisão do Hamas informou que a explosão foi causada por um ataque aéreo israelense ou um tanque que teria atirado do lado israelense da fronteira.   

Segundo Adham Abu Selmeya, chefe dos serviços médicos militares do Hamas, os três morreram devido as feridas causadas por um foguete israelense. Segundo a fonte, que não identificou os mortos, um quarto palestino sofreu feridas moderadas.

 

De acordo com fontes que presenciaram o ataque, os quatro faziam parte de uma unidade dos batalhões do Al Quds, braço armado do grupo Jihad Islâmica. Eles teriam sido atingidos logo após terem lançado um foguete contra o território israelense.

 

O Exército de Israel confirmou o bombardeio no campo de refugiados Al Bureij, contra um grupo de militantes que disparam foguetes.

 

O ataque ocorre em um momento crucial nas negociações diretas entre israelenses e palestinos, após a retomada das construções de assentamentos judeus em territórios ocupados com o fim da moratória israelense de dez meses.

 

O Hamas, grupo de fundamentação religiosa que controla a faixa desde de 2007, anunciou hoje que continuará "lutando contra a ocupação israelense".

 

"Desde o início de 2010 foram realizados mais de 150 ataques com foguetes e projéteis de morteiros e mais de 440 foguetes atingiram Israel desde o final da Operação Chumbo Fundido", em 2008, afirma o comunicado militar.

 

"O Exército está comprometido com a defesa dos cidadãos israelenses e continuará atuando contra o terrorismo", acrescenta a nota, que atribui a responsabilidade dos ataques ao Hamas.

 

Entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009, as milícias palestinas lançaram mais de cem foguetes contra Israel, que respondeu levando a cabo a mais importante ofensiva militar contra Gaza em 40 anos, na qual morreram 1.400 palestinos, a maioria civis.

 

Leia ainda:

linkLieberman: 'Palestinos vão às negociações obrigados'

linkIsrael impedirá entrada de navio com ativistas judeus em Gaza

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.