Ataque de homem-bomba deixa 13 mortos no norte do Iraque

Atentado deixa ainda dez feridos; Exército americano não confirma se há vítimas militares

REUTERS

20 de dezembro de 2007 | 10h14

Um homem-bomba matou na quinta-feira 13 voluntários que estavam numa fila de recrutamento para patrulhas de bairro na turbulenta província iraquiana de Diyala, segundo a polícia. Houve também dez feridos. De acordo com a polícia, o número de vítimas do ataque em Kanaan (20 quilômetros ao norte de Baquba, a capital regional) pode subir e talvez inclua também militares dos EUA. As forças norte-americanas confirmaram o incidente, mas não deram detalhes. As patrulhas dos bairros, formadas principalmente por árabes sunitas, ajudam os EUA na luta contra militantes da Al-Qaeda - uma das táticas que segundo Washington levou à redução de 60 por cento nos ataques no Iraque desde junho. Mas as patrulhas também são cada vez mais atacadas pelos militantes, especialmente em províncias ao norte de Bagdá, onde a Al-Qaeda estaria se reagrupando, segundo os EUA. Os comandantes norte-americanos também atribuem a redução da violência à trégua de seis meses declarada pelo clérigo radical xiita Moqtada Al Sadr. Na noite de quarta-feira, Salah Al Ubaidy, porta-voz de Sadr, disse à Reuters que ele cogita prorrogar a trégua, que expira em fevereiro. Seguidores dizem que Sadr voltou a estudar teologia islâmica para ascender nas fileiras clericais e ampliar sua influência, que já é enorme entre os xiitas pobres.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.