Ataque de militantes iraquianos a prédio em Ramadi mata 6

Homens armados com cintos explosivos invadiram um prédio da polícia antiterrorismo na cidade iraquiana de Ramadi neste domingo e pelo menos seis pessoas morreram no ataque, disseram autoridades e policiais.

REUTERS

15 de janeiro de 2012 | 11h31

O ataque na província Anbar, de maioria sunita, ocorre após várias semanas de bombas contra xiitas depois da eclosão de uma crise política que ameaçava pôr fim ao governo de coalizão e levantou temores de uma renovação da violência sectária.

Três policiais, dois dos atacantes e um civil morreram na invasão do prédio policial de Ramadi, e outros 14, incluindo sete policiais e sete civis, ficaram feridos, disse Mohammed Fathi, o porta-voz da província de Anbar.

A polícia disse anteriormente que os atiradores mantinham reféns dentro do prédio e o destino deles não estava claro.

Um dos agressores detonou uma bomba em seu corpo e o outro foi morto a tiros por policiais, disse Fathi.

"As forças de segurança iraquianas conseguiram recuperar o controle do prédio antiterrorismo e de um prédio ao lado. Alguns dos terroristas foram mortos, outros conseguiram escapar", disse. "A situação está sob controle agora".

Um agressor ainda disparava tiros do telhado de um prédio do governo local, disse.

Ramadi, a capital da província de Anbar, testemunhou parte da pior violência durante o auge da guerra que se seguiu à invasão liderada pelos EUA em 2003. Foi o centro de uma insurgência islâmica sunita ligada a Al Qaeda.

Líderes tribais de Anbar e milhares de insurgentes sunitas por fim se voltaram contra a Al Qaeda e formaram a milícia Sahwa, que se uniu às forças norte-americanas e ajudou a virar a maré da guerra.

Autoridades iraquianas da área de segurança expressaram temores de que a Al Qaeda pudesse se reagrupar em Anbar depois da retirada das tropas dos EUA.

Os prédios do governo de Ramadi são alvos frequentes de ataques militantes.

A violência no Iraque diminuiu desde o auge da matança sectária em 2006-2007, mas insurgentes sunitas e milicianos xiitas rivais ainda lançam ataques quase que diários. Os insurgentes atacam prédios locais do governo e as forças de segurança.

O ataque em Ramadi acontece um dia depois que um homem-bomba matou mais de 50 pessoas e feriu mais de 100 em um ataque contra peregrinos xiitas que passavam em um posto de controle da polícia na cidade de Basra, no sul do país.

(Reportagem de Fadhel al-Badrani)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEMIILITANTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.