Ataque do Estado Islâmico a cidade iraquiana mata 19 policiais

Com a tomada de Al-Wafa, o grupo radical agora controla três grandes cidades a oeste de Ramadi, incluindo Hit e Kubaisa

O Estado de S. Paulo

13 de dezembro de 2014 | 14h35

BAGDÁ - Combatentes do Estado Islâmico (EI) atacaram a cidade de Anbar, na região oeste do Iraque, neste sábado, e mataram pelo menos 19 policiais e prenderam outros em seus quarteis-generais, no ataque mais recente na região de deserto onde controla grande parte do território, afirmaram oficiais.

O Estado Islâmico tomou a cidade de Al-Wafa, a 45 quilômetros a oeste da capital da Província de Anbar, Ramadi, neste sábado, depois de ter iniciado o seu ataque na sexta-feira.

Com a tomada de Al-Wafa, o Estado Islâmico agora controla três grandes cidades a oeste de Ramadi, incluindo Hit e Kubaisa.

Al-Wafa caiu em um ataque surpresa que atraiu atenção para a luta do governo iraquiano para armar tribos sunitas no oeste do Iraque que estão enfrentando o Estado Islâmico.

“Forças policiais têm enfrentado combatentes do Estado Islâmico desde sexta-feira, mas a falta de munição as obrigou a recuar e acabaram perdendo a cidade. Estou frustrado porque fomos deixados sozinhos, sem apoio algum”, declarou Hussain Kassar, prefeito da cidade.

As forças policiais, apoiadas por poucos membros sunitas pagos pelo governo, tentaram impedir que os militantes cruzassem a barreira de areia em torno da cidade, mas foram surpreendidos quando células de dentro abriram fogo contra elas, afirmaram o prefeito e um oficial da polícia.

Policiais e combatentes sunitas pró-governo foram forçados a se retirar para o quartel general de uma brigada perto da fronteira da cidade.

“Estamos presos dentro da brigada 18 da polícia. O Estado Islâmico conseguiu nos cercar hoje. Se nenhuma força do governo for enviada para nos ajudar, seremos exterminados”, disse o prefeito, que estava com as forças policiais que se retiraram de Al-Wafa. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
IraqueEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.