Ataque suicida contra parlamentares mata 50 no Afeganistão

Um ataque suicidacontra uma delegação parlamentar matou pelo menos 50 pessoas nonorte do Afeganistão na terça-feira, disse uma autoridadelocal, no pior ataque do tipo na história do país. Cinco integrantes do Parlamento afegão estavam entre osmortos, e o total de vítimas deve aumentar. Há crianças entreas vítimas. "Registramos 50 mortos até agora, mas ainda há corpos nasruas que não contamos, e alguns dos mortos podem já ter sidoretirados por parentes", disse o chefe de segurança daProvíncia de Baghlan Abdurrahman Sayedkhail. Inicialmente, o diretor do hospital de Baghlan falou em 90mortos, mas depois afirmou que o total de vítimas fatais estavaentre 60 e 90. A delegação parlamentar visitava uma fábrica de açúcar nacidade de Baghlan na hora do ataque. Uma multidão, incluindomuitas crianças, cercava os parlamentares. O homem-bomba estava a pé e detonou os explosivos quando osparlamentares entravam na fábrica, disse Sayedkhail à Reuters. "Havia gente roubando as armas dos soldados mortos.Crianças gritavam pedindo ajuda. É como um pesadelo", disse omorador Mohammad Rahim, que contou ter perdido duas primas naexplosão, ambas crianças. O ex-ministro do Comércio Mostafa Kazemi, porta-voz daoposição, está entre os mortos. "O homem-bomba chegou bem pertode Mostafa Kazemi e se explodiu", disse Sayedkhail. A vice-ministra da Agricultura e proeminente parlamentarShukria Barakzai ficou ferida. O Taliban, grupo islamita radical que governou oAfeganistão até 2001, já matou mais de 200 pessoas em mais de130 ataques suicidas só este ano, em sua campanha para derrubaro governo pró-Ocidente e expulsar os 50 mil soldadosestrangeiros que atuam no país. Mas o norte do Afeganistão tinha sido poupado de boa parteda violência até então. "O presidente condenou o ataque nos termos maiscontundentes", disse o porta-voz presidencial HumayunHamidzada. "O presidente ordenou ao Ministério da Defesa que envietoda a ajuda necessária para tratar os feridos ... e tambémordenou ao Ministério do Interior que conduza uma investigaçãoimediatamente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.