Ataques a bomba no Iraque matam 30 e ferem cerca de 100

Carros-bomba têm principais ruas comerciais como alvo; nenhum grupo assumiu responsabilidade do ataque

Reuters,

08 de dezembro de 2013 | 12h13

Ataques com carros-bomba mataram ao menos 30 pessoas em todo o Iraque neste domingo, 8, e feriram quase 100, em ações que tiveram como principais alvos as movimentadas ruas comerciais da capital, informaram fontes da polícia.

O ataque com o maior número de vítimas ocorreu no bairro muçulmano predominantemente xiita de Bayaa, em Bagdá, quando uma bomba em um veículo estacionado explodiu perto de lojas de automóveis, matando sete e ferindo 14, disseram as fontes.

A violência no Iraque está no nível mais alto dos últimos cinco anos. Incidentes na capital têm ocorrido quase diariamente. Mais de 8.000 foram mortos este ano, segundo as Nações Unidas.

Insurgentes sunitas, a maioria com ligações com a Al Qaeda, reivindicaram vários dos grandes atentados no Iraque este ano. O último grande conjunto de atentados foi em 21 de novembro ao norte da capital. Desde então, tem-se um fluxo constante de ataques de menor dimensão.

Nenhum grupo assumiu imediatamente a responsabilidade pelos atentados de domingo, mas a Al Qaeda tem aumentado seu controle sobre áreas em todo o país desde o agravamento da crise na vizinha Síria e da retirada das tropas norte-americanas do Iraque em 2011.

Ao menos 94 pessoas ficaram feridas nos ataques de domingo. Em um deles, um carro-bomba explodiu em uma praça movimentada no centro de Bagdá, matando cinco pessoas e ferindo 15, informou a polícia.

Em Radhwaniya, uma área predominantemente sunita na capital, uma bomba matou duas pessoas e feriu oito, ainda segundo policiais.

Ocorreram outros ataques em bairros de maioria xiita de Bagdá, como Amel, Ghadir, Sadr City e Hussainiya.

Em Baquba, a 65 quilômetros a nordeste de Bagdá, uma bomba em um carro estacionado explodiu dentro de um mercado matando duas pessoas e ferindo sete, disse a polícia.

Tudo o que sabemos sobre:
IraquebombaAl Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.