Reuters
Reuters

Ataques contra mesquitas matam ao menos 28 em Bagdá

Oficiais afirmam que série de atentados em templos xiitas tenta recriar conflito sectário na capital iraquiana

Reuters e Associated Press,

31 de julho de 2009 | 09h00

A detonação de vários carros-bomba nas proximidades de três mesquitas xiitas de Bagdá provocaram a morte de pelo menos 28 pessoas nesta sexta-feira, 31, informaram fontes na polícia local. As explosões, que ocorreram próximo do horário das orações de sexta-feira, pareciam ter como alvo os muçulmanos xiitas iraquianos.

 

As aglomerações dos religiosos xiitas são os alvos favoritos dos islâmicos sunitas da Al-Qaeda, que consideram os xiitas como hereges. O grupo islâmico, ainda que bastante enfraquecido no Iraque nos últimos 18 meses, tem mostrado que ainda é capaz de lançar ataques devastadores.

 

A primeira bomba matou pelo menos 24 pessoas e feriu outras 17 em Shaab, um bairro da zona norte de Bagdá, disseram as fontes. Logo a seguir, explosões quase simultâneas atingiram uma mesquita perto da ponte Diyala, na zona sul de Bagdá, matando quatro pessoas e ferindo 17, disseram fontes policiais. Um artefato não detonado foi encontrado nas proximidades. Também nesta sexta-feira, uma bomba explodiu perto de uma mesquita na zona leste de Bagdá, ferindo seis fiéis.

 

Os atentados ocorrem em um momento no qual o Iraque experimenta um dos períodos de violência menos acentuada desde 2003, quando forças estrangeiras lideradas pelos Estados Unidos invadiram o país árabe em busca de armas de destruição supostamente mantidas pelo regime de Saddam Hussein. Autoridades norte-americanas dizem que a Al-Qaeda e outros grupos insurgentes sunitas estão tentando retomar o conflito sectário entre os sunitas e xiitas que levou o Iraque a uma completa guerra civil em 2006 e 2007.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.