Ataques contra prédios do governo matam 90 pessoas no Iraque

Explosões atingiram o Ministério da Justiça e a sede do governo em Bagdá; pelo menos 250 ficaram feridos

estadao.com.br,

25 de outubro de 2009 | 06h46

Dois ataques com carros-bomba no centro de Bagdá deixaram pelo menos 90 mortos e 250 feridos neste domingo, 25, em uma das ações mais sangrentas ocorridas na capital do Iraque em vários meses. Os veículos, ambos dirigidos por suicidas, explodiram de maneira simultânea em dois locais diferentes. Um deles foi detonado contra o prédio do governo da capital e o outro explodiu nas proximidades do Ministério da Justiça. Policiais dizem que o número de vítimas deve aumentar e fontes já falam em 600 feridos.

 

Prédio do Ministério da Justiça destruído após explosão de carro-bomba. Foto: Karim Kadim/ AP

 

Os atentados foram registrados perto da Zona Verde, que conta com estritas medidas de segurança, já que é onde ficam as embaixadas dos Estados Unidos e do Reino Unido, além de edifícios governamentais iraquianos.

 

Várias ambulâncias foram aos locais das explosões para levar as vítimas aos hospitais. Diversos carros que estavam estacionados perto do local das explosões pegaram fogo, afirmaram fontes policiais, acrescentando que prédios também sofreram vários danos.

 

Os ataques aconteceram no mesmo dia em que o comitê político da segurança nacional deve se reunir para discutir a reforma da lei eleitoral, assunto que causou debate nos últimos dias entre os diferentes blocos políticos.

 

No dia 16 de outubro, 14 pessoas morreram e 92 ficaram feridas em um atentado suicida contra uma mesquita sunita na localidade de Tal Afar, 450 quilômetros ao noroeste de Bagdá. No dia 11, no pior atentado registrado no Iraque em um mês, pelo menos 21 pessoas morreram e cerca de 80 ficaram feridas por causa de três bombas que explodiram em série na cidade central.

 

(com Reuters, Efe e AP)

 

Texto atualizado às 8h40

Tudo o que sabemos sobre:
Bagdáexplosõescarros bomba suicidas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.