Ataques israelenses deixam ao menos 12 feridos em Gaza

Exército de Israel confirmou o ataque contra grupo da Jihad Islâmica; dois estão com ferimentos graves

Efe,

18 de março de 2008 | 16h54

Pelo menos oito civis e quatro milicianos palestinos da Jihad Islâmica ficaram feridos, dois deles gravemente, em um ataque aéreo do Exército de Israel no norte da Faixa de Gaza, informaram nesta terça-feira, 18, fontes médicas locais.   Segundo Moawiya Hassanein, chefe do serviço de emergências do Ministério da Saúde em Gaza, o bombardeio aconteceu durante a tarde nas proximidades da localidade de Beit Lahiya.   Várias testemunhas indicaram que a aviação israelense atirou contra um veículo no qual estavam quatro milicianos da Jihad que pretendiam disparar um foguete contra território israelense e que o impacto também feriu oito civis que estavam no local.   O escritório de informação do Exército israelense confirmou que foi realizado um ataque nessa região e que este atingiu seu objetivo.   Segundo um porta-voz militar, os milicianos feridos fazem parte da mesma célula da Jihad Islâmica que, no mês passado, lançou um foguete que caiu em uma casa da localidade israelense de Sderot. O ataque causou a amputação de uma perna de uma criança de oito anos.   O Exército afirma ter identificado dois dos feridos. Um deles seria Muhammad Zaanin, "um militante da Jihad Islâmica que disparou o foguete que feriu o menino".   Há quatro dias outros três milicianos palestinos da Jihad Islâmica morreram em outro ataque aéreo no norte da faixa quando preparavam um foguete para lançá-lo contra o território israelense.   No último sábado, a Jihad Islâmica anunciou que desenvolveu uma nova bomba de 22 quilômetros de alcance, capaz de chegar à cidade de Ashkelon, geralmente a salvo dos lançamentos de foguetes palestinos, que até agora costumavam alcançar apenas a cidade de Sderot, mais próxima do território controlado pelo Hamas.

Tudo o que sabemos sobre:
Faixa de GazaHamasataques aéreos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.