Ataques israelenses matam quatro palestinos em Gaza

Apesar dos bombardeios, representantes afirmam que cessar-fogo apoiado pelo Egito pode começar em dias

Agência Estado e Associated Press,

20 de maio de 2008 | 14h55

Aeronaves israelenses lançaram pelo menos três bombardeios nesta terça-feira, 20, matando quatro palestinos. Entre as vítimas estava um garoto de 13 anos, disseram médicos palestinos. Apesar da violência, funcionários de defesa disseram que um cessar-fogo incentivado pelo Egito pode entrar em vigor em alguns dias.   As forças israelenses confirmaram os ataques. Segundo eles, a primeira ação foi contra um grupo de palestinos que lançavam foguetes, localizados no norte da Faixa de Gaza. Médicos disseram que o garoto de 13 anos teve a cabeça decepada e outro jovem está gravemente ferido. No segundo incidente, aeronaves israelenses atacaram palestinos que estariam colocando explosivos perto de uma cerca no centro de Gaza. Um homem de 32 anos, não identificado, morreu.   O Hamas informou que dois de seus homens foram mortos e um ficou ferido na terceira ocorrência, no sul da Faixa de Gaza. Segundo as forças israelenses, foi atacado um grupo de homens armados nessa área. Israel freqüentemente realiza operações na área para impedir o lançamento de foguetes. Dois israelenses morreram nas últimas duas semanas por causa desses ataques. No mesmo período, os ataques israelenses mataram 14 palestinos, inclusive dois civis.   Há meses, o Egito trabalha para conseguir um cessar-fogo entre Israel e os palestinos. Após uma viagem do ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, funcionários de defesa de Israel disseram que o cessar-fogo pode começar nos próximos dias. Eles falaram sob condição de anonimato.   Segundo esses funcionários, Barak concordou em relativizar uma exigência anterior de Israel, segundo a qual só haveria um cessar-fogo se o outro lado libertasse o soldado israelense capturado Gilad Shalit. Agora, Barak aparentemente aceitou que o cessar-fogo comece e depois se negocie o tema. A segunda fase do acordo deve incluir um acordo para que seja interrompido o tráfico de armas através do Egito para os palestinos.   A Faixa de Gaza é dominada pelo grupo militante Hamas desde junho, quando expulsou os membros do grupo laico Fatah. Atualmente, o Fatah, do presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas, controla apenas a Cisjordânia.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosGaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.