Ataques levam pânico a operadores de escavadeira em Jerusalém

Palestinos e judeus que operamescavadeiras em Jerusalém estão em pânico com a possibilidadede serem confundidos com terroristas. Em menos de um mês, dois palestinos operando escavadeirasmataram três israelenses e feriram dezenas de pessoas emataques nas ruas de Jerusalém. Ambos os agressores foram mortosa tiros. "As pessoas desenvolveram uma 'escavadeirofobia"', disse ooperador palestino Anas, 23 anos. "É melhor eu começar aprocurar uma nova profissão." Há muitas escavadeiras em Jerusalém, participando de váriasobras, inclusive do metrô de superfície. Muitos operadores dasmáquinas são palestinos de Jerusalém Oriental, autorizados a sedeslocar na cidade e em Israel --ao contrário dos palestinos daCisjordânia ocupada. Para muitos palestinos, aliás, as escavadeiras são umsímbolo da ocupação israelense. O Exército as usa na Faixa deGaza e na Cisjordânia para destruir casas de supostosmilitantes. Em Jerusalém, a prefeitura emprega essas máquinasna demolição de casas sem alvará. "Agora os palestinos estão tentando combater a ocupaçãousando suas próprias ferramentas", disse o analista palestinoHani Al Masri. Israel diz que só casas construídas ilegalmente sãodemolidas, e argumenta que a dificuldade em obter os alvarásnão deve servir de justificativa para violar os regulamentos. Depois dos dois ataques semelhantes na parte ocidental deJerusalém, os israelenses temem que os palestinos da cidadepossam atacar de novo. A polícia reforçou a vigilância em canteiros de obras,exigindo documentos dos operadores de escavadeiras. "Temos maispatrulhas e ampliamos a segurança desde que o último ataqueocorreu em Jerusalém, a fim de evitar esse tipo de padrão",disse um porta-voz policial. Mark Regev, porta-voz do governo, disse que os atentadoscom escavadeiras e alguns incidentes envolvendo disparos depalestinos de Jerusalém parecem fazer parte de um "novofenômeno". "Estamos examinando formas de melhor proteger apopulação israelense civil de Jerusalém", afirmou. (Reportagem adicional de Adam Entous)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.