Até 15 mil morreram na guerra da Líbia, diz ONU

Conflito civil no país norte-africano entre rebeldes e forças do governo teve início em fevereiro

Reuters

09 de junho de 2011 | 14h33

GENEBRA - Um número estimado de 10 mil a 15 mil pessoas já morreram nos dois lados do confronto na Líbia em quatro meses, disse nesta quinta-feira, 8, Cherif Bassiouni, líder de uma missão do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) que viajou a Trípoli e a áreas controladas pelas forças rebeldes no final de abril.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

Sua comissão encontrou evidências de crimes de guerra cometidos por forças do líder Muamar Kadafi, incluindo ataques contra civis, ajudantes humanitários e equipes médicas. Aviões, tanques, artilharia, foguetes e franco-atiradores foram utilizados na repressão. O grupo também encontrou provas de crimes cometidos por forças da oposição.

 

O governo negou as alegações e acusou os rebeldes de carnificina e canibalismo, mas as autoridades da ONU insistem que devem investigar as práticas das forças de Kadafi na repressão aos protestos e lutas que têm o objetivo de acabar com os quase 42 anos de poder do ditador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.