Atentado em mesquita mata governador e mais 15 no Afeganistão

Mohammad Omar havia sobrevivido a três outras tentativas de assassinato

Reuters

08 de outubro de 2010 | 07h24

KUNDUZ - O governador da província afegã de Kunduz e 15 afegãos foram mortos nesta sexta-feira, 8, em um ataque com bomba em uma mesquita na província de Takhar, no norte do Afeganistão, informou o chefe da Polícia da região.

"A situação é caótica. Ainda não sabemos se foi um ataque suicida ou uma bomba que já havia sido plantada na mesquita", disse Shah Jahan Noori, chefe da Polícia da província de Takhar.

Segundo ele, mais de 20 pessoas ficaram feridas.

 

Abdul Jabar Taqwa, governador de Takhar, disse que o atentado tinha objetivo de matar Omar, que geralmente reza na mesquita onde ocorreu a explosão nas sextas-feiras. "Ele era o alvo, e os terroristas conseguiram matá-lo. É uma grande perda para nós porque Mohammad Omar era um bom governador", disse.

 

Omar sobreviveu a pelo menos três tentativas de assassinado anteriormente, inclusive emboscadas e explosões em estradas pelas quais passada. Em maio de 2009, ele ficou levemente ferido na explosão de uma bomba. Ele culpou "os inimigos da paz e da segurança" pelo atentado.

 

Membros do governo afegão costumam ser alvos de ataque do Taleban e de outros grupos militantes. Os rebeldes consideram inimigas todas as pessoas aliadas às tropas internacionais que ocupam o país.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoatentadoterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.