Atentado mata 2 soldados curdos em região disputada do Iraque

Bombas colocadas dentro de um carro mataram dois soldados curdos Peshmergas neste domingo, em uma região disputada no norte do Iraque, onde Bagdá e o Estado autônomo do Curdistão estão envolvidos em um impasse militar.

Reuters

16 de dezembro de 2012 | 14h13

O governo central de Bagdá, liderado por árabes, e a região do Curdistão estão envolvidos em uma longa disputa sobre petróleo e território. Ambos os lados enviaram tropas, no mês passado, para os chamados "Territórios Disputados", sobre os quais reivindicam o controle.

Ninguém assumiu a autoria pelo atentado deste domingo na cidade etnicamente mista de Jalawla, a 115 quilômetros a nordeste de Bagdá, próximo a um escritório do partido União Patriótica do Curdistão (PUK), onde curdos estavam sendo recrutados para as forças armadas Peshmergas.

"Nós estávamos esperando para sermos recrutados quando ouvimos uma grande explosão e uma onda de choque", disse Mohammed Ameen Cerwan, de 26 anos, um dos 12 feridos na explosão.

O Curdistão tem administrado suas próprias forças governamentais e armadas desde 1991 e é, geralmente, mais seguro e estável do que outras partes do Iraque. A região curda entrou em conflito com Bagdá por assinar acordos com companhias, como a Exxon Mobil, que o governo central do Iraque considera ilegais.

Mais conteúdo sobre:
IRAQUEATENTADOCURDISTAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.