Atentado na cidade de Saddam deixa ao menos 53 mortos no Iraque

Pelo menos 53 pessoas foram mortas no Iraque na terça-feira quando homens armados fizeram várias pessoas reféns na sede de um conselho provincial em Tikrit, a cidade natal do ex-presidente Saddam Hussein, situada 150 quilômetros ao norte de Bagdá. O sequestro resultou num confronto com forças de segurança que tentaram pôr fim à ocupação do local.

ASEEL KAMI, REUTERS

29 de março de 2011 | 17h34

Esse foi um dos ataques com mais vítimas em Tikrit desde que um atentado suicida causou a morte cerca de 60 recrutas da polícia, em janeiro, e também o primeiro sequestro no país desde que 52 pessoas foram mortas em uma igreja de Bagdá tomada por militantes da Al Qaeda, em outubro.

No ataque em Tikrit, os homens armados detonaram carros-bomba, cinturões de explosivos e granadas de mão quando entravam no prédio e aprisionavam as pessoas, disseram autoridades locais.

Os reféns que não morreram nas explosões foram executados pelos invasores, afirmaram as fontes.

A cifra é de 56 mortos e 98 feridos, de acordo com Jasim al-Dulaimi, chefe do centro de operações de saúde na província de Salahuddin, no norte do país. O chefe do departamento de saúde da província, Raed Ibrahim, afirmou que foram 53 mortos, entre os quais policiais.

O jornalista Sabah al-Bazee, que trabalhava para a Reuters e outros órgãos da mídia, está entre os mortos, como também três membros do conselho e sete insurgentes.

"As forças realizaram uma incursão", disse Dulaimi, acrescentando ser difícil identificar todos os corpos, já que muitos ficaram carbonizados nas explosões. Os atacantes estavam vestidos com uniformes das unidades da segurança iraquiana.

Segundo uma autoridade local e uma testemunha, as forças iraquianas invadiram o prédio, o que desencadeou uma batalha. Parte do edifício estava em chamas.

AJUDA DOS EUA

Um alto funcionário provincial disse que os militantes atiraram granadas de mão e abriram fogo em um posto de controle do edifício municipal e assim conseguiram entrar.

"Quando as forças de segurança tentaram intervir, no momento em que eles chegavam à entrada, um carro-bomba estacionado explodiu. Foi uma explosão potente e, como resultado, alguns dos policiais morreram", declarou o funcionário.

"Dois homens-bomba se explodiram dentro do prédio enquanto outros tomavam membros do conselho como reféns."

Uma autoridade disse que o edifício estava lotado porque houve uma reunião do conselho na terça-feira. Foi imposto o toque de recolher em Tikrit, disse ele.

Os militares dos Estados Unidos disseram que algumas de suas tropas deram assistência inicial às forças iraquianas, em resposta ao ataque ao edifício.

"Como chegaram ao local mais forças iraquianas, não foi necessária a presença de militares dos EUA para assumir um papel direto na segurança da área, mas eles monitoraram a situação para ajudar a determinar qual assistência extra poderia ser requerida", informaram em um comunicado.

As unidades militares dos EUA passaram a assumir um papel de assistência e orientação às forças do Iraque depois de formalmente encerrarem as operações de combate, em agosto. Uma retirada completa esta prevista para o fim deste ano.

(Reportagem adicional de Khalid al-Ansary e Ahmed Rasheed)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEATENTADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.