Atentado suicida no Afeganistão deixa pelo menos 28 mortos

Explosão acontece em fábrica durante visita de parlamentares; autoridades discordam do número de vítimas

Associated Press e Reuters,

06 de novembro de 2007 | 11h22

Duas fortes explosões deixaram pelo menos 28 mortos nesta terça-feira, 6, numa região quase sempre pacífica no norte do Afeganistão. Entre as vítimas estão crianças e um grupo de parlamentares.   Veja Também Polícia italiana prende 20 estrangeiros acusados de terrorismo   O ataque suicida teve como alvo uma delegação de parlamentares que visitavam a cidade de Baghlan, no norte do país, segundo informou o diretor do hospital local.   Os relatos sobre o número de mortos são contraditórios. Inicialmente, o diretor do hospital de Baghlan havia anunciado 90 mortes. Mais tarde, esse número foi corrigido para 64 por um alto funcionário afegão. O Ministério de Interior, no entanto, confirma apenas 28 vítimas, embora um médico tenha afirmado que alguns dos mortos foram retirados por parentes, o que dificultaria a do número total de vítimas.   Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque, e um porta-voz do Taleban negou a qualquer participação dos islamitas no atentado.   O Taleban geralmente nega responsabilidade em ataques com um grande número de civis, visto que esse tipo de atentado pode minar o apoio popular do grupo. Em uma declaração, o presidente afegão, Hamid Karzai, culpou "os inimigos da paz e da segurança" pela ação, num eufemismo geralmente usado em referência ao Taleban. Pela proporção, a explosão poderia também ter sido perpetrada pela Al-Qaeda.   Segundo a Associated Press, cinco parlamentares, incluindo fundador do principal partido de oposição Mostafa Kazemi, estão entre os mortos no ataque, disse o governador da Província. A delegação visitava uma usina de açúcar na região industrial da cidade.   A dupla explosão também vitimou crianças, idosos e autoridades do governo local reunidos para receber a delegação de 18 parlamentares da câmara baixa do Parlamento afegão. Cerca 40 crianças estariam entre os 80 feridos no incidente.   Neste ano, o grupo extremista Taleban matou mais de 200 pessoas em 130 ataques suicidas. A campanha de violência tem como objetivo convencer os afegãos de que o governo o país e seus apoiadores no Ocidente são incapazes de garantir segurança.   Além dos atentados, guerrilheiros do Taleban têm atuado de forma incansável contra as forças da Otan que atuam no país desde a invasão americana, em 2001. Na segunda-feira, os militantes conquistaram uma terceira região na província de Farah, no sudoeste do Afeganistão.   Texto atualizado às 19h52

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.