Atentados com carros-bomba matam ao menos 28 em Bagdá

Polícia não descarta que o número de vítimas aumente, considerando a gravidade do estado dos feridos

Efe,

28 de setembro de 2008 | 15h51

Pelo menos 28 pessoas morreram neste domingo, 28, e dezenas ficaram feridas em uma onda de atentados com carro-bomba e artefatos explosivos em Bagdá, informaram fontes policiais. As autoridades não descartam que o número final de vítimas fatais possa aumentar.   O primeiro atentado, que matou cerca de 12 pessoas e deixou outros 35 feridos, ocorreu em um mercado popular situado no sudoeste da capital iraquiana, disseram as fontes. A detonação causou também a destruição de algumas lojas e carros. A área onde ocorreu o fato foi cercada pelas forças de segurança para facilitar a transferência das vítimas ao hospital de Yarmouk, situado nas proximidades.   Pouco depois, duas explosões no distrito de Al-Karrada, uma zona comercial do centro de Bagdá, mataram pelo menos mais 16 pessoas e feriram outras 52, segundo as fontes. Um carro-bomba explodiu neste bairro quando estava estacionado perto do mercado popular de Al-Attar. O atentado provocou graves danos nos comércios e edifícios limites, além de ter causado o incêndio de mais de dez carros.   Apenas alguns minutos depois, e muito perto deste lugar, no mesmo distrito de Al-Karrada, explodiu outra bomba de grande magnitude. Vários feridos foram levados de emergência aos hospitais próximos.   Estes atentados ocorrem no momento em que os muçulmanos iraquianos se preparam para celebrar a festividade do Eid ul-Fitr, que marca o fim do mês sagrado de jejum do Ramadã e que deve começar na próxima quarta-feira. Além disso, o Exército dos EUA deteve neste domingo três supostos militantes das Brigadas do Hezbollah no Iraque, na localidade de Naharwan, 25 quilômetros ao leste de Bagdá.   As forças americanas detiveram um homem suspeito de ter participado de operações na capital e em seus arredores, aparentemente relacionado à organização das Brigadas do Hezbollah no Iraque, e dois ajudantes. O Exército dos EUA considera como Brigadas do Hezbollah os grupos xiitas que recebem apoio financeiro e logístico do Irã, e as acusa de realizar atentados com artefatos explosivos.   Atualizado às 17 horas para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
Bagdáatentados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.