Atentados em distrito comercial de Bagdá matam 55

Dois atentados coordenados, supostamenterealizados pela Al Qaeda, mataram 55 pessoas em uma lotada áreacomercial na quinta-feira, mesmo dia que os Estados Unidosanunciaram a retirada de 2 mil soldados da capital iraquiana. A polícia informou que uma bomba explodiu em uma rua nodistrito central de Karrada, local de intenso comércio e muitovisitado durante a quinta-feira, início do fim de semanamuçulmano. Minutos mais tarde, depois de forças de segurança do Iraquee outras pessoas chegarem ao local da primeira explosão, umsuicida detonou um segundo artefato, de acordo com a polícia. Foi um dos dias mais sangrentos na capital do Iraque nosúltimos meses, desde que os Estados Unidos enviaram mais tropaspara o país para fazer frente à violência sectária, e desde queos comandantes norte-americanos adotaram novas táticas decombate à insurgência. "Terroristas da rede Al Qaeda atacaram pessoas inocentesnovamente", disse o major-general Qassim Mossawi, porta-voz dasoperações de segurança iraquianas em Bagdá, à TV estatal. Eledisse que, entre as vítimas do ataque, estavam pessoas de todasas facções e etnias iraquianas. Mais cedo, ele afirmou à Reuters que mulheres e criançastambém foram vítimas dos atentados. Os militares dos EUA disseram que soldados do país chegaramao local após os atentados, que eles disseram envolver umexplosivo improvisado e, possivelmente, uma bomba colocada naroupa de um suicida. Embora a violência tenha diminuído nos últimos meses,autoridades norte-americanas e iraquianas afirmam que a sunitaAl Qaeda continua perigosa. Na segunda-feira, duas bombas explodiram nas regiões lestee central de Bagdá matando 19 pessoas, apesar do aumento dasegurança para a visita do presidente iraniano, MahmoudAhmadinejad. No mês passado, duas mulheres mataram 99 pessoas em umlotado mercado de animais, no ataque mais sangrento na capitaliraquiana desde abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.