Atentados em feiras e hospital do Afeganistão matam 38

Militantes suicidas islâmicos detonaram explosivos em feiras lotadas e num importante hospital do Afeganistão na terça-feira, matando pelo menos 38 pessoas e ferindo quase 100.

HAMID SHALIZI E ROB TAYLOR, Reuters

14 de agosto de 2012 | 17h03

Os atentados são parte de uma onda de violência que antecede à retirada da maior parte das forças de combate ocidentais, com a transferência de suas funções para um contingente afegão, em 2014. Forças sob o comando da Otan ainda lutam contra remanescentes do Taliban, especialmente no leste do país.

A polícia disse que atentados suicidas em feiras livres da província rural de Nimroz (sudoeste) mataram pelo menos 28 pessoas, incluindo pelo menos três policiais, e feriram mais de 70. Foi o dia mais violento desde 2001 nessa província, geralmente pacata.

Outro homem-bomba se detonou em frente ao hospital de Zaranj, capital de província, e dois outros agiram em outras áreas da cidade, matando principalmente civis, disse o gabinete presidencial em nota.

O número de mortos em Zaranj ainda deve crescer, segundo o governador provincial Abdul Karim Barahawi. "Os agressores se explodiram em feiras lotadas para atingir civis. Não havia instalação governamental próxima", afirmou Barahawi.

Outros dez civis morreram e 28 ficaram feridos na explosão de uma bomba junto a um bazar na localidade de Dashte Archi, na província de Kunduz (norte), segundo autoridades locais.

Todas as feiras atacadas estavam repletas de pessoas comprando mantimentos para o fim do jejum diário do Ramadã, segundo a polícia local.

Apesar de o número de civis mortos em ataques no Afeganistão ter diminuído no primeiro semestre em comparação a 2011, a ONU disse na semana passada que os civis continuam sendo os mais prejudicados pelos confrontos entre insurgentes e forças regulares.

A ONU disse que 1.145 civis foram mortos no primeiro semestre, e que 1.954 ficaram feridos.

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOATENTADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.