Reuters
Reuters

Atirador fere três em ataque em escritório de Ahmadinejad

Incidente acontece na mesma cidade iraniana onde ontem 25 morreram em ataque contra mesquita xiita

29 de maio de 2009 | 16h22

Um atirador deixou três pessoas feridas durante um ataque nos escritórios de campanha do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad nesta sexta-feira, 29, um dia depois de uma explosão em uma mesquita xiita que matou 25 pessoas na mesma cidade, informou a agência de notícias oficial. Os ataques aconteceram em Zahedan, capital de uma província localizada próximo ao Paquistão e Afeganistão que tem sido ameaçada pelo Jundallah, um grupo militante que diz lutar pelos direitos da minoria sunita e que acredita-se que tenha ligações com a Al-Qaeda.

 

O Irã acusou nesta sexta-feira os Estados Unidos e Israel pelo atentado a bomba na mesquita, afirmando que os dois países tentam provocar tensões sectárias com a minoria sunita. O governo iraniano tem acusado repetidamente os Estados Unidos e outros países ocidentais de apoiar militantes e grupos de oposição no país, acusações que foram negadas.

 

A acusação pode ter como objetivo mascarar questões sectárias reais entre sunitas e a maioria xiita. "Eu anuncio que aqueles que cometeram o atentado não são nem xiitas nem sunitas. Eles são norte-americanos e israelenses" que querem provocar conflitos sectários no país, disse o ministro iraniano do Interior, Sadeq Mahsouli, no site do Ministério.

 

Jalal Sayyah, um alto funcionário de segurança de Zahedan, disse que 145 pessoas ficaram feridas no atentado e que três suspeitos foram detidos. "A contratação de terroristas pelos Estados Unidos foi verificada com base em investigações", disse Sayyah à Associated Press. Sayyah não disse se os terroristas pertenciam a um grupo específico.

 

Em 2007 o Jundallah, ou brigada de Deus, matou 11 membros da Guarda Revolucionária em Zahedan. O Irã acusou três homens que teriam ligações com os Estados Unidos pela realização de um ataque semelhante contra uma mesquita xiita no sudeste, em abril de 2008.

 

O atentado na cidade de Shiraz, localizada a 885 quilômetros ao sul de Teerã, matou 14 pessoas. No mês passado, o Irã enforcou os três homens, que segundo o tribunal eram integrantes de um pequeno grupo monarquista que queria depor o governo islâmico do país.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAhmadinejad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.