Atiradores vestidos de policiais roubam carro-forte em Bagdá

Guardas foram dominados e o equivalente a R$ 1 milhão em moeda iraquiana foi levado

Associated Press,

12 de setembro de 2007 | 17h09

Atiradores vestidos com uniformes de comandos da polícia iraquiana emboscaram um carro-forte nesta quarta-feira, 12, em uma avenida de Bagdá, dominaram os guardas e levaram o equivalente a cerca de R$ 1 milhão em moeda iraquiana, informou a polícia.   Veja também: Iraque espera grande redução de tropa estrangeira antes de 2009 Fim da violência do Iraque não significa estabilização, diz Rice   Os ladrões montaram uma falso posto de controle com dois carros da polícia na rodovia Mohammed al-Qassim, no leste de Bagdá, pararam o carro-forte e se ofereceram para escoltá-lo ao seu destino no centro de Bagdá. No caminho, os 10 homens armados forçaram o motorista a dirigir o carro-forte para perto do campus da universidade, disse a polícia. Então eles amarraram as mãos e amordaçaram os ocupantes do carro-forte - cinco guardas, um contador e um motorista - e roubaram o dinheiro.   Um oficial da polícia disse que o dinheiro estava sendo transportado de uma fábrica na periferia de Zafaraniyah para o banco. As vítimas chamaram a atenção de motoristas que passavam e avisaram a polícia. A identidade dos assaltantes é desconhecida. Atiradores vestidos como policiais já foram responsáveis por crimes nos últimos dois anos, incluído o seqüestro ocorrido em 29 de maio de quatro seguranças britânicos e um consultor, que foram levados de dentro do Ministério das Finanças. Todos continuam desaparecidos.   Em dezembro passado, atiradores vestindo uniformes militares pararam um carro-forte que levava dinheiro de um banco e roubaram US$ 1 milhão. Uma semana depois, atiradores com uniformes militares assaltaram um banco em Bagdá e fugiram levando o equivalente a US$ 709,000, disse a polícia.   Os comandos da polícia são parte do Ministério do Interior e suas fileiras são infiltradas por milícias xiitas. Na semana passada, um comitê americano liderado pelo general aposentado James Jones recomendou que a força policial seja desmantelada. O governo iraquiano rejeitou a recomendação, ao dizer que a força policial tem um papel importante na luta contra militantes sunitas e xiitas.   Em outros episódios de violência no Iraque, atiradores emboscaram um posto de polícia no norte do país, perto de Mossul, matando seis policiais. Quatro policiais foram feridos no ataque e os atiradores escaparam. O brigadeiro da polícia local, Abdel-Karim al-Jubouri, disse que o ataque foi conduzido por um braço da Al-Qaeda da coalizão de resistência Estado Islâmico do Iraque.   Também nesta quarta, militares dos EUA anunciaram que foram capturados 50 supostos insurgentes.   No sul do Iraque, atiradores abriram fogo contra um carro com quatro ocupantes, matando duas pessoas e ferindo outras duas, na província de Diyala. Uma hora mais tarde, atacantes dispararam contra uma multidão na cidade de Muqdadiyah, matando mais duas pessoas e ferindo outras duas.   Enquanto isso, um oficial do Ministério da Saúde disse que uma epidemia de cólera foi restrita em três províncias no norte do Iraque, mas poderá se espalhar para o sul. Desde que a epidemia teve um surto em meados de agosto, 10 pessoas morreram e 700 outras foram confirmadas com cólera.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueBagdá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.