Atividade nuclear do Irã segue constante, apesar de sanções, diz AIEA

O Irã está enriquecendo urânio em um ritmo constante e as sanções internacionais que visam pressionar Teerã a suspender a atividade não têm impacto visível, disse em declarações extraordinariamente contundentes o chefe da agência nuclear da ONU nesta terça-feira.

Reuters

20 de novembro de 2012 | 13h51

A afirmação feita por Yukiya Amano, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), reforça a visão de muitos analistas de que o aumento da pressão econômica do Ocidente sobre o Irã não vem conseguindo fazê-lo mudar de curso.

Amano falou um dia antes do encontro de altos funcionários de seis potências mundiais em Bruxelas. Eles vão avaliar a estratégia para o Irã em meio a sinais de um renovado impulso para resolver a disputa diplomaticamente depois da reeleição do presidente dos EUA, Barack Obama.

Potências mundiais, que levaram a ONU a aprovar sanções ao Irã em 2006, estão preocupados se Israel pode tentar bombardear instalações nucleares iranianas sem uma resolução pacífica em um curto prazo.

Os Estados Unidos e seus aliados ocidentais aumentaram as medidas punitivas ao Irã bruscamente neste ano para atingir as exportações vitais de petróleo do país, esperando que isso convença o Irã a, finalmente, voltar atrás no impasse que tem levantado temores de uma guerra.

Perguntado se as sanções haviam produzido qualquer efeito dissuasivo, Amano disse a jornalistas em Paris: "Estamos verificando as atividades nas instalações nucleares no Irã e não vemos qualquer efeito."

(Reportagem de Alexandria Sage e Fredrik Dahl)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAURANIOIAEA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.