Ativistas anti-Assad pedem greve em toda a Síria

Ativistas sírios pediram uma greve nacional no domingo, dia útil no país, como o primeiro passo em uma campanha de desobediência civil contra o governo do presidente Bashar al-Assad.

REUTERS

08 de dezembro de 2011 | 13h02

Os Comitês de Coordenação Local, que iniciaram o movimento de protesto pacífico lançado em março, disseram que a campanha incluiria sit-ins, o fechamento de lojas e greves de funcionários públicos e de estudantes.

Um pedido similar por uma greve, feito há dois meses, teve resultados mistos. Lojas e negócios na província de Deraa, no sul do país, berço da revolta popular de oito meses na Síria, fecharam por oito dias no final de outubro.

Na cidade de Homs e nas áreas vizinhas no noroeste da Síria as pessoas fizeram greve geral no dia 26 de outubro, parcialmente executada por insurgentes armados.

Mas as duas maiores cidades do país, Damasco e Aleppo, não foram afetadas, e os moradores da capital disseram na quinta-feira que as autoridades pareciam estar se preparando para frustrar a ação planejada no domingo.

Alguns lojistas que queria sanar as dívidas com o governo nesta semana foram avisados para esperar até domingo, quando autoridades visitariam suas lojas para receber o dinheiro - uma advertência velada para que permaneçam abertos.

Uma moradora também notou um aumento no número de policiais e forças de segurança à paisana em Damasco. "A cada 10 metros você encontra um grupo deles, usando roupas normais," disse ela.

As agitações, além das sanções ocidentais impostas em um esforço para obrigar Assad a mudar o curso, foram um duro golpe à economia da Síria, empurrando para cima a taxa cambial do dólar.

(Reportagem de Dominic Evans)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAGREVE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.