Aumenta abuso dos direitos humanos em territórios palestinos

O desrespeito aosdireitos humanos tornou-se mais frequente na Faixa de Gaza e naCisjordânia desde que o Hamas expulsou a Fatah daquele primeiroterritório, no ano passado, afirmou na terça-feira um grupopalestino que atua na área. A Comissão Palestina Independente para os Direitos Civis(PICCR) disse em seu relatório anual que o número de casos deabuso dos direitos humanos havia aumentado nos dois territóriosdesde que o Hamas, um grupo islâmico, assumiu o controle daFaixa de Gaza, expulsando dali os homens da Fatah, uma facçãoligada ao presidente palestino, Mahmoud Abbas. "Nosso relatório diz que, infelizmente, e por causa do queaconteceu na Faixa de Gaza, ou seja, por causa da violentaconfrontação entre a Fatah e o Hamas, ocorreram gravesviolações dos direitos humanos", afirmou Mamdouh al-Aker, chefeda PICCR. "Houve um retrocesso quanto aos direitos humanos na Faixade Gaza e na Cisjordânia", disse o ativista à Reuters. Abbas demitiu o governo liderado pelo Hamas depois de ogrupo ter tomado a Faixa de Gaza, no dia 14 de junho, e nomeouna Cisjordânia um gabinete aliado do Ocidente -- uma manobraque fez diminuírem as sanções comerciais impostas aospalestinos. Desde então, Israel intensificou o bloqueio à Faixa deGaza. A PICCR, que mantém escritórios em ambos os territórios,disse que a Fatah e o Hamas haviam de forma semelhante usado alei "como uma ferramenta para justificar práticas e políticasque cada um dos lados usa para desafiar o outro". Grupos de defesa dos direitos humanos registraram abusoscometidos pelos dois grupos, abusos tais como o assassinato deprisioneiros dentro de celas e casos de tortura. Muin Barghouthi, membro da PICCR, disse em uma entrevistaconcedida na cidade de Ramallah, Cisjordânia, que, enquanto 412palestinos foram mortos por soldados palestinos em 2007, 585foram mortos nas lutas internas, a grande maioria deles naFaixa de Gaza. "Em junho do ano passado, 190 pessoas, entre as quais civise crianças, foram mortas na Faixa de Gaza e se iniciaraminquéritos para investigar esses crimes", afirmou Barghouthi. Abdel-Razak al-Yahya, ministro do Interior no governo deAbbas, disse à Reuters que o respeito aos direitos humanoshavia melhorado na Cisjordânia, no ano passado. "Os abusos dos direitos humanos não são iguais naCisjordânia e na Faixa de Gaza. Houve casos isolados deviolação, mas nós repassamos instruções bastante claras àsforças de segurança para que não façam uso da violência emcasos desnecessários", afirmou Yahya.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.