Austrália impõe sanções ao Irã por causa de programa atômico

País justifica medidas pelo forte compromisso a favor da não-proliferação nuclear

Efe,

15 de outubro de 2008 | 05h03

O governo australiano anunciou nesta quarta-feira, 15, a imposição de novas sanções financeiras e de viagens a 20 cidadãos e 18 organizações iranianas, em resposta à recusa da República Islâmica de suspender sua atividade atômica. Em comunicado, o ministro de Relações Exteriores australiano, Stephen Smith, justificou as medidas pelo forte compromisso da Austrália a favor da não-proliferação nuclear. Segundo Smith, as organizações - entre elas os bancos Melli e Saderat - e os indivíduos afetados "contribuem para os programas iranianos nucleares e de mísseis ou ajudam o Irã a violar suas obrigações com o Conselho de Segurança". Com a decisão, o governo australiano adota as iniciativas recomendadas pela Resolução 1803 do Conselho de Segurança, aprovada no dia 3 de março e que estabelece maiores controles sobre as transações comerciais e financeiras iranianas. Smith explicou que as sanções são similares às que a União Européia (UE) acaba de impor ao Irã.

Tudo o que sabemos sobre:
AustráliaIrãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.