Austrália manterá militares no Iraque pelo menos até julho

Segundo ministro da Defesa do país, ocupação só continuará depois desse prazo se for o desejo dos iraquianos

Efe,

24 de dezembro de 2008 | 07h14

A Austrália manterá seu contingente militar no Iraque pelo menos até o fim de julho de 2009, e depois só continuará se for o desejo do povo iraquiano, anunciou nesta quarta-feira, 24, o ministro da Defesa, Joel Fitzgibbon. Fitzgibbon deu as boas-vindas à resolução adotada na terça pelo Parlamento iraquiano que autoriza a presença de tropas estrangeiras no país até essa data. Além dos soldados australianos, continuam no Iraque tropas de Reino Unido, Romênia, Estônia, El Salvador e Estados Unidos, mas estas últimas ficarão pelo menos até 2011, segundo um acordo assinado por Washington e Bagdá. O primeiro-ministro australiano, Kevin Rudd, retirou a maioria de suas tropas de combate do país árabe em junho, mas ainda mantém um pequeno contingente de aproximadamente mil soldados que se ocupa de tarefas de ajuda humanitária e reconstrução, além de proteger a Embaixada do país e vários poços petrolíferos. Em 2003, a Austrália, então sob o mandato do conservador John Howard, firme aliado do presidente americano, George W. Bush, participou da invasão do Iraque liderada pelos EUA e chegou a ter 14 mil soldados desdobrados no sul do país.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueAustrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.