Autoridades palestinas acusam judeus por ataque a mesquita

Em ato de vandalismo, símbolos judeus são pichados na parede de uma mesquita

Reuters

14 de abril de 2010 | 12h43

HAWARA - Colonos judeus depredaram uma mesquita na Cisjordânia nesta quarta-feira, 14, disseram oficiais palestinos, o último de uma série de ataques creditados a colonos judeus, o que fez aumentar as tensões no território ocupado.

 

O exército israelense disse que a mesquita de Bilal Ibn Rabah no vilarejo de Hawara perto de Nablus, foi depredada por "suspeitos anônimos". O exército condenou o ataque e ordenou uma investigação.

 

"A Estrela de David e a palavra 'Mohammad' em hebraico estavam entre as coisas que foram pichadas na parede da mesquita", disse o exército em um pronunciamento, acrescentando que as pichações foram apagadas pelas autoridades israelenses.

 

Kamal Odeh, um residente de Hawara e representante do partido palestino Fatah, disse que esta foi a segunda vez que os colonos atacam a vila nesta semana.

 

Eles queimaram um carro e abriram fogo contra uma loja em Hawara na segunda-feira, disse. "A situação é muito tensa," disse Odeh. "Há um ódio real aqui".

 

Os colonos, que vivem em enclaves no topo de uma colina ao redor da área, ficaram ainda mais agressivos, dizem os palestinos.

 

Há cerca de 500.000 colonos judeus morando na Cisjordânia e áreas próximas a Jerusalém anexadas por Israel. Colonos na área de Nablus tendem a ser extremamente religiosos, clamando que há uma conexão bíblica com as terras ocupadas por Israel em 1967.

 

Grandes potências mundiais veem os assentamentos como ilegais e como um obstáculo a qualquer acordo de paz entre Israel e Palestina.

 

Ghassan Daghlas, um oficial palestino que monitora as atividades dos assentamentos no protetorado de Nablus, disse que a taxa de ataques de colonos em locais muçulmanos cresceu no primeiro trimestre deste ano comparado com 2009.

 

As autoridades Israelenses lançaram uma investigação sobre os últimos dois ataques às áreas muçulmanas de Nablus. Ele não puderem alegar com exatidão se as investigações resultaram em acusações contra suspeitos.

 

Os palestinos acreditam que colonos judeus estão por trás do ataque incendiário em uma mesquita na vila de Yasuf e os atos de vandalismo em um cemitério na vila de Awarta em janeiro.

 

O polícia israelense prendeu um adolescente de um assentamento judeu conectado com o ataque à mesquita de Yasuf. Ele foi interrogado e liberado com acusações.

Tudo o que sabemos sobre:
Israel: Palestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.