Aviões de guerra israelenses violam espaço aéreo libanês

Exército do Líbano diz que 12 aviões de combate 'inimigos' sobrevoaram o país; Israel não comenta operação

Agência Estado e Associated Press,

28 de abril de 2008 | 20h18

O Exército do Líbano informou que aviões de combate israelenses violaram o espaço aéreo libanês nesta segunda-feira, 28, realizando vôos sobre a capital Beirute e outras regiões. Segundo comunicado, 12 aviões de combate "inimigos" do vizinho sobrevoaram o Líbano antes do meio-dia. Veja também:Líbano marca eleição presidencial para 13 de maioONU condena ataques em Gaza e pede 'máximo cuidado' a IsraelBush diz não ter ilusões sobre paz no Oriente Médio A operação durou uma hora, segundo o comunicado. Quatro das aeronaves sobrevoaram a região da cidade costeira de Byblos, no norte, e também na província de Hermel, no leste. Os outros oito aviões sobrevoaram a cidade de Rmeish, no sul do país, e então se dirigiram para o norte, em Beirute, as montanhas Chouf, no sudoeste da capital, e Hermel antes de voltarem aos "territórios ocupados". Israel não comentou a operação. Hezbollah Ainda nesta segunda-feira, o governo israelense acusou as forças da ONU no Líbano de não reportarem todas as ações ilegais dos militantes do Hezbollah no sul do país ao Conselho de Segurança.  Os israelenses acusam o grupo islâmico xiita de violar as condições de um cessar-fogo de 2006. Este prevê o desarmamento do Hezbollah e proíbe seus militantes de entrarem na zona-tampão ao longo da fronteira israelense. A força de paz da ONU na área deve reportar ao Conselho de Segurança violações do tratado, mas até agora não fez isso, segundo funcionários israelenses. Eles falaram sob condição de anonimato. Em um dos casos comentados pelos funcionários, as forças da ONU confrontaram uma picape suspeita, seguida por dois outros veículos com homens armados. Um relatório completo sobre esse incidente não foi enviado ao conselho, acusaram os israelenses.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelLíbanoONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.