Banco Mundial reconhece governo do CNT

Organismo disse que irá ajudar na reconstrução da Líbia em cooperação com FMI

REUTERS

13 Setembro 2011 | 08h57

WASHINGTON - O Banco Mundial reconheceu oficialmente nesta terça-feira o Conselho Nacional de Transição (CNT) como governo legítimo da Líbia e disse ter recebido pedidos para ajudar a restabelecer os serviços vitais do país e desenvolver programas para criação de empregos, no momento em que a Líbia tenta voltar ao normal após seis meses de guerra.

 

Veja também:
forum OPINE: 
Onde se esconde Kadafi?
especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

"À medida que a Líbia começava a se recuperar do conflito, o Banco Mundial recebeu pedidos para liderar os esforços nas áreas de gastos públicos e administração financeira, recuperação da infraestrutura, criação de empregos para jovens e entrega de serviços", disse a instituição, que tem como objetivo o combate à pobreza.

O Banco disse ter recebido pedidos para reparar os serviços nos setores de água, energia e transportes, em cooperação com o Fundo Monetário Internacional (FMI), ajudar a preparar o orçamento do país e recuperar o setor bancário.

"Estamos prontos para apoiar o povo da Líbia", disse a diretora-geral do Banco Mundial, Sri Mulyani Indrawati. "Nossos especialistas já começaram a entrar em coordenação com seus parceiros e estamos caminhando rapidamente para começar o trabalho."

A organização irmã do Banco Mundial, o FMI, disse no sábado que apoiava o conselho de transição e que enviaria uma equipe à Líbia assim que as condições de segurança permitirem.

O reconhecimento das antigas forças rebeldes da Líbia como governo oficial pelo FMI e o Banco Mundial é visto como um sinal de que doadores e investidores irão se envolver com o país e uma garantia de supervisão independente.

Mais conteúdo sobre:
LIBIABANCOMUNDIALAJUDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.