Bancos da Faixa de Gaza fecham as portas por falta de dinheiro

Agências bancárias na Faixa de Gaza fecharam as portas nesta quinta-feira alegando escassez de papel-moeda por causa de um bloqueio liderado por Israel. "O banco está fechado por causa da proibição a entrada de dinheiro determinada pela ocupação", diziam avisos em várias agências da Cidade de Gaza. Israel afirmou ter aberto nesta quinta-feira a fronteira com a Faixa de Gaza, área de controle do Hamas, pela primeira vez em uma semana, com o objetivo de permitir a entrada de quantidades limitadas de alimentos, suprimentos médicos e combustível. Israel também anunciou que está permitindo a entrada de jornalistas estrangeiros na área pela primeira vez desde 4 de novembro, quando um ataque militar com vítimas no enclave costeiro provocou um aumento nos lançamentos de mísseis por parte de militantes palestinos. Não estava claro, no entanto, quando Israel permitirá a entrada de dinheiro na Faixa de Gaza para abastecer o estoque de moeda. Israel apertou o bloqueio da Faixa de Gaza há um ano, quando o Hamas tomou à força o território das mãos do secular Fatah, leal ao presidente Mahmoud Abbas. Durante uma instável trégua de seis meses patrocinada pelo Egito, Israel tinha aliviado o bloqueio. Mas o Estado judeu endureceu novamente em 4 de novembro, aumentando as dificuldades para muitos dos 1,5 milhão de habitantes da Faixa de Gaza. Os palestinos têm usado uma rede de mais de 2 mil túneis entre a fronteira de Gaza com o Egito para amenizar o bloqueio. A rede tem sido usada para contrabandear centenas de touros e ovelhas para o Eid al-Adha, dia do sacrifício em 8 de dezembro, quando os muçulmanos de todo o mundo matam animais e os oferecem aos pobres para obter o perdão de Deus. (Reportagem de Nidal al-Mughrabi)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.