Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Barak não descarta governo de união liderado por Netanyahu

Líder Trabalhista afirma que coalizão é apoiada pela maioria em Israel e por seu partido; impasse continua

Efe,

06 de março de 2009 | 20h30

O ministro da Defesa de Israel e líder trabalhista, Ehud Barak, assegurou nesta sexta-feira, 6, que não descarta fazer parte de "um amplo governo de união nacional" liderado por Benjamin Netanyahu, porque é o que reivindica a maioria do país e de seu próprio partido. "A nação pede um amplo governo de união nacional que encare a realidade e a enfrente. Não temos um país de reposição e, portanto, precisamos de um amplo governo de união nacional que trate os problemas que enfrentamos", disse Barak à televisão israelense. "A altamente complexa realidade internacional, unida a sérios desafios de segurança e a uma crise financeira como não era vista em anos" são, de acordo com Barak, os problemas que forçaram os partidos israelenses a deixar para trás suas diferenças políticas e unir forças. Nos últimos dias, Barak negocia com Netanyahu, presidente do partido direitista Likud, a entrada no próximo Executivo, após as eleições legislativas realizadas em 10 de fevereiro. O titular da Defesa recebeu diversas críticas dentro de sua legenda de centro-esquerda por negociar com o líder direitista uma aliança contra a identidade dos dois partidos. "Uma estreita coalizão de direitas é um problema e um desafio para Netanyahu, para Livni, em certo modo também para mim, e possivelmente também para (Avigdor) Lieberman", líder do ultra-direitista Yisrael Beiteinu, acrescentou. O Yisrael Beiteinu acabou decidindo o rumo das eleições israelenses, graças às 15 cadeiras que conquistou na Knesset, o Parlamento israelense. Após o pleito, Barak se apressou em anunciar que seu partido faria parta da oposição, em função da maioria direitista na Câmara. No entanto, nesta sexta se limitou a citar uma condição para sua entrada no Executivo: a substituição de Daniel Friedman, o polêmico ministro da Justiça, muito criticado por sua política de reduzir o poder dos juízes. Por outra parte, Barak definiu como "irrelevante" a possibilidade de se unir sozinho ao governo, de novo à frente da Defesa, sem o apoio de seu partido, uma possibilidade que a imprensa local diz que Netanyahu chegou a cogitar.

Tudo o que sabemos sobre:
Israel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.