Barco líbio de ajuda a Gaza atraca em porto no Egito, dizem autoridades

Navio foi interceptado por Israel, que exigiu a mudança de rumo; carregamento será entregue

Reuters

14 de julho de 2010 | 16h59

EL ARISH - O navio líbio que levava ajuda humanitária a Gaza e foi interceptado pela Marinha de Israel chegou ao porto egípcio de el Arish nesta quarta-feira, 14. O curso do barco foi desviado após ameaças dos militares israelenses caso a missão quisesse furar o bloqueio importo ao território palestino.

 

Veja também:

linkHamas pede que navio insista em furar bloqueio

linkIsrael defende direito de atacar navios

lista Veja as novas regras do bloqueio de Gaza

 

Um funcionário do governo do Egito disse que o Amalthea, o barco líbio, chegou em el Arish, ao sul da fronteira com Gaza, e começaria a descarregar os suprimentos. "Itens médicos e passageiros entrarão em Gaza através da passagem de Rafah, enquanto os alimentos entrarão por Awja", disse o capitão Gamal Abdel Maqsoud, responsável pelo porto. Segundo ele, o Crescente Vermelho egípcio levará o carregamento a Gaza.

 

Na terça-feira, a Marinha israelense interceptou o navio e ameaçou atacá-lo caso tentasse chegar a Gaza, mas os organizadores da missão insistiram que rumariam para o território palestino. Com versões conflitantes, aumentaram os temores de que poderia haver um conflito como o ocorrido no fim de maio entre militares de Israel e ativistas de uma frota turca, quando nove civis morreram.

 

Nesta quarta, porém, militares israelenses disseram que o capitão do Amalthea concordou em alterar a rota para el Arish, onde os suprimentos seriam descarregados. Testemunhas a bordo do navio disseram que barcos de guerra de Israel impediam a realização de manobras que levassem a Gaza.

 

Youssef Sawani, diretor da fundação organizadora do navio, liderada pelo filho do líder líbio Muamar Kadafi, confirmou que o rumo da missão foi alterado por razões de segurança. "Seria inaceitável entrar em confrontos e arriscar um derramamento de sangue. O objetivo do Amalthea foi alcançado sem violência e o resultado são ganhos para os palestinos de Gaza", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelLíbiaGazaNavioBloqueio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.