Berlusconi expõe divergências da Otan sobre a Líbia

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, disse na quinta-feira que foi contra a intervenção da Otan na Líbia, mas que precisou aceitá-la - declaração que expõe a fragilidade da aliança que tenta derrubar o regime de Muammar Gaddafi.

LAMINE CHIKHI, REUTERS

07 de julho de 2011 | 19h35

Aviões da Otan têm bombardeado a Líbia desde março, com aval da ONU, mas há dentro da aliança ocidental crescentes queixas com a duração e o custo da operação.

"Eu fui contra a medida", disse Berlusconi no lançamento de um livro em Roma. "Fiquei de mãos atadas pelo voto do Parlamento do meu país. Mas fui contra e sou contra essa intervenção, que vai terminar de um jeito que ninguém sabe qual é."

Alguns dos aviões da Otan que bombardeiam a Líbia decolam de bases aéreas na Itália. Apesar da declaração de Berlusconi, não há sinal de que seu país irá cancelar o uso das suas bases. No entanto, o ministro da Defesa, Ignazio La Russa, disse que cortes orçamentários farão com que a contribuição italiana para a missão caia de 142 milhões de euros no primeiro semestre para 60 milhões de euros no segundo.

La Russa disse também, após uma reunião ministerial na quinta-feira, que o porta-aviões Garibaldi e seus três caças foram retirados da missão, e que suas tarefas serão assumidas por aviões que operam em bases terrestres.

Aparentemente referindo-se a uma reunião ocorrida em 19 de março, quando várias potências ocidentais decidiram atacar a Líbia para ajudar os rebeldes locais, Berlusconi disse: "Fui a Paris e disse - e posso repetir - que eu ficaria ao lado da sra. Merkel no que diz respeito a essa decisão da zona de exclusão aérea". Angela Merkel, primeira-ministra alemã, decidiu não envolver seu país na operação.

"Fizemos perguntas muito precisas aos protagonistas dessa iniciativa - ou seja, o presidente (francês, Nicolas) Sarkozy e o primeiro-ministro (britânico) David Cameron - na mais recente reunião dos chefes de governo em Bruxelas. A resposta foi que a guerra vai acabar quando houver, como esperamos, uma revolta da população de Trípoli contra o atual regime."

Num fato que pode ampliar a pressão sobre a Itália para rever sua posição com relação à Líbia, um alto funcionário do regime de Gaddafi disse que estão em curso negociações com empresas russas e chinesas para que substituam a italiana ENI em projetos de gás e petróleo no país.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIABERLUSCONI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.