Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Biden pede esforço pela paz e reafirma apoio a Israel

Vice-presidente diz que EUA não têm amigo melhor que o Estado judeu; palestinos cancelam diálogo

estadao.com.br,

11 de março de 2010 | 10h21

 

Biden discursa na Universidade de Tel Aviv. Foto: Oliver Waiken/Efe

TEL AVIV - O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, voltou a defender nesta quinta-feira, 11, um esforço para um acordo de paz entre israelenses e palestinos e reafirmou os laços inquebrantáveis entre seu país e o Estado judeu. Biden, no entanto, criticou a decisão israelense de construir 1,6 mil casas em Jerusalém Oriental, o que levou os palestinos a cancelar o diálogo indireto proposto no começo da semana

 

Veja também:

linkIsrael planeja 50 mil moradias em Jerusalém Oriental

Em discurso na Universidade de Tel Aviv, o vice de Obama afirmou que tanto ele como o presidente sabem que seu país não tem "melhor amigo na comunidade internacional que Israel". Biden destacou no entanto que "só um amigo pode dizer as verdades mais dolorosas" a outro e que a perpetuação do conflito no Oriente Médio é "insustentável" e guarda consequências "inimagináveis".

"O status quo não é sustentável", afirmou o vice-presidente americano, que arrancou aplausos da plateia ao voltar a criticar Israel pelo anúncio da construção de 1.600 novas casas em território palestino justo quando chegava à região para relançar as negociações de paz indiretas entre as partes em conflito.

Biden não comentou a decisão dos palestinos de cancelar o diálogo indireto até que o projeto para a ampliação de uma colônia em Jerusalém Oriental seja anulado.

Em um tom de proximidade e, às vezes, paternalista, o vice de Barack Obama disse aos israelenses que "o ciclo (de violência) deve ser quebrado", já que "não é segredo que as realidades demográficas põem em risco um lar judeu democrático à revelia de um Estado palestino".

"Vocês não têm mais escolha, a não ser se prepararem para o futuro", afirmou, dizendo que "a paz é uma oportunidade que é preciso agarrar".

"O mais importante destas conversas é que elas avancem com rapidez e sejam de boa-fé. Não podemos adiar os avanços porque, quando isso acontece, os extremistas aproveitam nossas diferenças", argumentou Biden, que ainda hoje se reúne com o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak.

O visitante também deixou claro que a Casa Branca responsabilizará por igual qualquer um que promover ações capazes de atrapalhar as negociações.

Com informações da Efe

Tudo o que sabemos sobre:
BidenIsraelquestão palestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.