Bin Laden pede a muçulmanos que lutem contra bloqueio em Gaza

O líder da Al Qaeda, Osama bin Laden,pediu aos muçulmanos que ajudem a acabar com o bloqueioisraelense na Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, de acordocom uma fita de áudio postada neste domingo na Internet. O orador, cuja voz é semelhante àquela das gravaçõesanteriores de Bin Laden, afirmou que o dever religioso de cadamuçulmano é combater o "bloqueio opressivo" de Israel a Gaza. Bin Laden também disse que os territórios palestinos nãopodem ser libertados sem o combate aos governos árabes queapóiam Israel. O orador afirmou que Israel era fraco sem o apoio doOcidente, acusando governos árabes, como o do Egito, de sejuntar ao Estado judaico e ao Ocidente contra o Islã. A fita foi publicada no dia em que o presidente dos EstadosUnidos, George W. Bush, encerrou uma visita ao Oriente Médio.Bush espera que a viagem contribua para que haja um acordo depaz entre palestinos e israelenses até o fim de seu mandato, emjaneiro. Bush causou fúria em muitos palestinos ao desferir elogiosao Estado judaico no aniversário de 60 anos de Israel, saudandoo país como "a pátria dos escolhidos". Israel, que retirou os colonos judeus da Faixa de Gaza em2005, vê a atividade militante no território como uma ameaça àsua segurança. Israel fechou o trânsito nas fronteiras de Gaza,causando uma grave crise econômica. O Egito está tentando mediar uma trégua entre Israel e osmilitantes do Hamas, que lançam freqüentes ataques com mísseisa Israel a partir da Faixa de Gaza. O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, informou nestedomingo os mediadores egípcios e o Hamas que Israel estavachegando rapidamente a uma decisão sobre uma possível açãomilitar na fronteira com a Faixa de Gaza para tentar frear osataques com foguetes. "Estamos chegando a uma encruzilhadasobre uma decisão de como essas coisas devem ser feitas,"afirmou. Foguetes lançados da Faixa de Gaza mataram dois israelensesneste mês, aumentando a pressão pública sobre Olmert para queele tome uma medida mais dura contra os militantes noterritório, onde Israel realizou sangrentos ataques aéreos eincursões por terra. (Reportagem de Firouz Sedarat)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.