Thaier Al-Sudani / Reuters
Thaier Al-Sudani / Reuters

Bloco de líder anti-EUA vence eleições parlamentares no Iraque

Coalização liderada por populista Moqtada al-Sadr conquistou o maior número de cadeiras no parlamento; resultado pode representar revés para o Irã

O Estado de S.Paulo

19 Maio 2018 | 11h55

Uma coalizão liderada pelo clérigo xiita Moqtada al-Sadr ganhou as eleições parlamentares no Iraque, declarou a comissão eleitoral do país neste sábado (19). Descrito como um líder populista e nacionalista, Sadr é opositor declarado dos Estados Unidos e também contrário à influência do Irã no país. Ele não assumirá o cargo de primeiro-ministro, uma vez que não concorreu pessoalmente nas eleições, mas a conquista da maioria de cadeiras no parlamento o coloca em posição de forte influência nas negociações para a configuração de um novo governo iraquiano.

O bloco de Sadr obteve 54 cadeiras nas eleições. Já a aliança governista, do atual primeiro-ministro Haider al-Abadi, ficou em terceiro lugar com 42 representantes eleitos. Em segundo, com 47 cadeiras, ficou o bloco Al-Fatih - liderado por Hadi al-Amiri, que tem fortes ligações com o governo iraniano e está à frente de grupos paramilitares que atuaram no combate ao grupo terrorista Estado Islâmico, e desempenhou um papel importante na derrota do grupo no país. O resultado foi anunciado pela comissão cerca de uma semana após a votação.

+ Forte abstenção pode ter beneficiado grupos antissistema no Iraque

A vitória de Sadr pode representar um revés para o Irã, que aumentou sua influência sobre o Iraque desde a invasão do país pelos EUA em 2003, que derrubou o regime de Saddam Hussein. Entre a população, há resentimento com governos apoiados por Teerã que falharam no fornecimento de serviços básicos e na construção de hospitais e escolas em um país devastado pela guerra, o que foi capitalizado pelo bloco vitorioso. 

A eleição marca um retorno do clérigo xiita à cena política do país. Durante anos, ele foi isolado por rivais no governo, e era considerado imprevisível por analistas tanto nos EUA quanto no Irã, que disputam a influência sobre o país. 

Sadr mirou na população mais pobre do Iraque durante a campanha, tanto xiitas quanto sunitas, e se tornou um símbolo da resistência contra a ocupação estrangeira quando liderou dois levantes violantos contra tropas americanas no país. Na ocasião, o Pentágono chegou a declarar que o grupo que liderava representava a maior ameaça à segurança no Iraque. Sadr é filho do aiatolá Mohammed Sadeq al-Sadr, reverenciado no país, morto durante o regime de Saddam Hussein.

+ HELIO GUROVITZ: As diferenças entre as guerras na Síria e no Iraque

Configuração. A conquista do maior número de cadeiras no Legislativo não garante automaticamente que o líder da coalização conseguirá escolher a dedo um primeiro-ministro. Os partidos do bloco de Sadr devem se alinhar internamente para formar um grupo grande o suficiente para indicar o chefe de governo. O gabinete deve ser formado em até 90 dias após o resultado oficial da eleição. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.