Bloco xiita pede eleições antecipadas no Iraque

Políticos do Sadr exigem a dissolução do Parlamento; grupo abandonou governo de coalizão há dois meses

Efe,

13 de novembro de 2007 | 08h18

O Bloco Sadr, leal ao clérigo radical xiita Moqtada al-Sadr, pediu nesta terça-feira, 13, a dissolução do Parlamento iraquiano e a convocação de eleições antecipadas, segundo anunciou o dirigente do grupo parlamentar Baha al-Araji. Araji disse em entrevista coletiva que, "se o Parlamento continuar desempenhando suas funções da maneira atual, isso seria um obstáculo para a democracia. Por isso, pedimos ao presidente (iraquiano, Jalal) Talabani que dissolva as casas e convoque eleições antecipadas". O Parlamento retomou nesta terça as sessões com atenção para a nomeação de três novos ministros, a fim de cobrir as vagas nas pastas de Justiça, Comunicações e Transporte, e na revisão de várias leis consideradas fundamentais nesta legislatura. Em abril, o Bloco Sadr retirou seus ministros do governo iraquiano liderado pelo primeiro-ministro Nouri al-Maliki, devido à recusa deste em negociar um calendário para a retirada das tropas estrangeiras do Iraque. Há dois meses, o grupo abandonou a coalizão majoritária no Parlamento, a Aliança Unida Iraquiana (xiita), e seus deputados se ausentaram várias vezes das sessões parlamentares. O pedido de eleições antecipadas coincide com a retomada da atividade legislativa no Parlamento, que nesta terça realiza sua 23ª sessão desta legislatura. No retorno das atividades, as olhares estão voltados para a nomeação de três novos ministros e a revisão de vários projetos de lei consideradas fundamentais nesta legislatura. Um dos assuntos mais delicados que deviam ser debatidos nesta legislatura é o plebiscito sobre a adesão da província de At-Ta'mim (com capital em Kirkuk) à região autônoma curda, que pode não acontecer ainda este ano, como determina a Constituição, considerando que nem sequer foi estabelecido o censo de eleitores.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueMoqtada al-Sadr

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.