Bomba em Bagdá estraga festejos por conquista da Copa da Ásia

Um carro-bomba matou nesta segunda-feira seis pessoas em uma área de Bagdá de maioria xiita, recolocando em movimento a onda de violência sectária no país, enquanto os iraquianos comemoravam animadamente a vitória de sua equipe de futebol na Copa da Ásia. Segundo a polícia, 31 pessoas ficaram feridas na explosão ocorrida perto de lojas atacadistas e de equipamentos elétricos do bairro de Bab al-Shorji. Foi o primeiro grande atentado registrado na capital desde a conquista do futebol, no domingo. A vitória, como não acontecia desde a queda de Saddam Hussein, levou um grande número de iraquianos para as ruas de cidades do país. A proibição de que veículos circulassem -- imposta no domingo como parte dos esforços para impedir que se repetissem atentados suicidas -- chegou ao fim esta manhã. O Parlamento do Iraque, que tenta realizar as reformas políticas consideradas essenciais pelos EUA, aderiu ao clima de euforia nacional depois de o Iraque ter vencido a Arábia Saudita por 1 a 0. Os parlamentares discutiram na segunda-feira um projeto de lei para conceder a cada um dos jogadores um terreno de 400 metros quadrados em Bagdá. Cada um dos membros da equipe já recebeu 10 mil dólares do governo. Apesar da alegria provocada pela vitória no futebol, muitos desconfiam ser uma questão de tempo até a violência regressar com carga total às ruas das cidades iraquianas. Dezenas de milhares de pessoas morreram no país em meio ao incessante conflito entre a maioria xiita e a minoria sunita. O presidente dos EUA, George W. Bush, encontra-se sob pressão crescente para ou dar mostras de progresso no Iraque ou dar início à retirada das forças norte-americanas. O principal general dos EUA no país, David Petraeus, afirmou na segunda-feira que, pelos cálculos dos militares, seria necessário manter um número significativo de soldados no Iraque até a metade de 2009. O sucessor de Bush assume o cargo no começo de 2009. (Com reportagem de Ross Colvin e Mussab Al-Khairalla em Bagdá)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.